Documentário resgata olhares sobre a ditadura e a Lei de Anistia. Assista

O Brasil é um dos únicos países que não julgou os militares que participaram de um regime ditatorial

Sociedade

Há 55 anos, a democracia brasileira foi golpeada. Os militares tiraram o presidente democraticamente eleito, João Goulart, e assumiram a presidência da república de forma ditatorial.

A Constituição brasileira foi rasgada e houve a assinatura do Ato Institucional nº 1. No mesmo dia foi empossado interinamente o presidente da Câmara, Ranieri Mazzilli.

Leia também: Ditadura concentrou renda, matou e era corrupta

Com a repressão, surgiram grupos de resistência armada. Para combater esses grupos, mais repressões, prisões, torturas. Criou-se um cenário de ebulição, com instabilidade econômica e as ruas pulsando em busca de liberdade.

Neste cenário, João Figueiredo decretou a Lei de Anistia, que perdoava os presos políticos, permitia que os anistiados voltassem ao país e dava perdão judicial aos militares que cometeram crimes durante o regime.

Leia também: Homenagem à ditadura "só ocorre porque crimes não foram punidos"

É este o tema do documentário “Olhares Anistia”, do diretor Cleonildo Cruz, lançado neste domingo 31. O filme traz duas visões sobre a luta armada na ditadura e a lei de anistia. O diretor conversa tanto com os militantes e presos políticos da época quanto com os militares que faziam parte do regime.

Leia também: "Não houve ditadura, mas alguns probleminhas", diz Bolsonaro na TV

A lei é uma polêmica que se arrasta até os dias de hoje. Em 2010, o STF recusou uma mudança e manteve o texto como foi proposto em 79. Na prática, isso faz com que os militares que mataram e torturaram durante a ditadura não sejam julgados nem penalizados.

O Brasil é um dos únicos países que não julgou os militares que participaram de um regime ditatorial.

Outros temas abordados no documentário são: a luta armada, as lacunas abertas do assassinato dos ex-presidentes João Goulart e Juscelino Kubitschek, a explosão da bomba no aeroporto dos Guararapes em Recife, relatório Final da Comissão Nacional da Verdade, a busca para uma justiça de transição e não apenas o resgate histórico.  

“A multiplicidade olhares mostra uma anistia inconclusa. Não houve justiça na responsabilização da criminalidade estatal praticadas pelos agentes civis e militares”, disse o diretor. 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem