Desemprego sobe a 13,3% no Brasil, recorde em três anos

Essa é a taxa mais elevada desde o trimestre março-maio de 2017

 Foto: Agência Brasil

Foto: Agência Brasil

Política,Sociedade

O índice de desemprego no Brasil chegou a 13,3% no trimestre abril-junho, de acordo com números oficiais divulgados nesta quinta-feira 6 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que apontam uma perda de 8,9 milhões de postos de trabalho no período, devido à pandemia da covid-19.

Isso representa um aumento de 1,1 ponto percentual na comparação com o trimestre anterior, janeiro-março (12,2%), e é a taxa mais elevada desde o trimestre março-maio de 2017, quando também registrou 13,3%, segundo o IBGE.

“A população ocupada (83,3 milhões de pessoas) chegou ao menor nível da série histórica iniciada em 2012, com redução de 9,6% (8,9 milhões de pessoas a menos) em relação ao trimestre anterior e de 10,7% no confronto com o mesmo trimestre de 2019 (10 milhões de pessoas a menos)”, informou o IBGE.

Pela metodologia do IBGE, só é considerado desempregado o indivíduo sem ocupação e que tenha procurado trabalho no último mês.  O desemprego só não foi maior porque muita gente simplesmente deixou de procurar emprego ou não estava disponível para trabalhar em meio à pandemia de coronavírus.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem