CoronaVac: Governo de SP envia documentos à Anvisa para agilizar registro da vacina

Doria garante respeito a 'normas científicas' e 'protocolo da Anvisa'

GOVERNADOR DE SP, JOÃO DORIA. FOTO: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SP

GOVERNADOR DE SP, JOÃO DORIA. FOTO: DIVULGAÇÃO/GOVERNO DE SP

Sociedade

O governo de São Paulo enviou à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a documentação sobre a vacina CoronaVac, desenvolvida em parceria pelo Instituto Butantã e pelo laboratório chinês Sinovac, a fim de acelerar o registro.

“O governo registrou na Anvisa a documentação da vacina CoronaVac para análise da agência e obtenção do seu registro. A Anvisa recebeu através da plataforma digital criada para agilizar o procedimento de registro das vacinas. Os primeiros documentos já foram enviados pelo Instituto Butantan para iniciar o processo de análise e obtenção do registro da vacina contra o coronavírus”, anunciou o governador João Doria (PSDB) em entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes nesta sexta-feira 2.

“O objetivo é tornar o mais rápido possível, dentro das normas científicas e do protocolo da Anvisa, o processo de registro da CoronaVac, uma das vacinas mais promissoras, em sua última etapa de testagem em todo o mundo. A meta é exatamente permitir que possamos agilizar e, dentro dos protocolos científicos e da Anvisa, permitir que com a CoronaVac possamos iniciar a imunização dos brasileiros de São Paulo e também dos demais brasileiros em outras partes do país”, completou o governador.

Na última quarta-feira 30, Doria assinou o contrato para o fornecimento do primeiro lote da CoronaVac. “O contrato garante o fornecimento das 46 milhões de doses para dezembro e mais 14 milhões de doses da vacina até fevereiro de 2021, totalizando 60 milhões de doses. São Paulo será um dos primeiros locais do mundo a ter a vacinação para a população”, declarou Doria.

 

Oxford

 

Na última quinta-feira 1, a Anvisa anunciou que recebeu a primeira “submissão contínua” de uma vacina da Covid-19. É o imunizante que está sendo desenvolvido pela empresa AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford.

Na prática, ainda não será possível chegar a uma conclusão sobre a qualidade, a segurança e eficácia da vacina. Segundo a Anvisa, a “submissão contínua” é um procedimento novo e específico para as vacinas da Covid-19, que tem o objetivo de apressar a “análise regulatória dos dossiês de registro dessas vacinas”.

“Dessa forma, empresas interessadas em registrar vacinas da Covid-19 não precisarão aguardar a disponibilização de todos os dados e documentos técnicos nem o preenchimento de todos os requerimentos regulatórios, para então apresentá-los à Anvisa por meio de submissão do registro”, explica a Agência.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem