Contratação de Robinho, condenado por estupro, gera furor nas redes

Assunto tomou redes sociais e rendeu acusações contra o Santos, que enalteceu o reforço do time para a temporada

Jogador Robinho (Foto: Rafael Ribeiro/ CBF)

Jogador Robinho (Foto: Rafael Ribeiro/ CBF)

Sociedade

Não é novidade que situações do futebol causem questionamentos na vida fora dele. Dessa vez, o problema que levou o nome do time paulista Santos e do jogador Robinho aos assuntos mais comentados do sábado 10 não tem a ver com as “pedaladas” do ídolo santista: Robinho foi condenado, em 2017, a 9 anos de prisão, na Itália, acusado de ter participado de um estupro coletivo de uma jovem em 2013. Mesmo assim, foi contratado pelo time.

 

Em comunicado, o Santos afirmou que Robinho assinou um contrato simbólico para os próximos cinco meses, com um salário de 1,5 mil reais e bônus por objetivos alcançados. O clube santista terá preferência na renovação com o jogador por mais um ano e sete meses.

“Aqui sempre foi a minha casa. Meu objetivo é ajudar dentro e fora de campo e fazer o Santos voltar ao lugar mais alto, de onde nunca deveria ter saído. Sensação maravilhosa poder voltar ao clube que me projetou. Foi aqui onde cresci. Sempre sonhei em ser jogador, e foi o Santos que tornou tudo isso possível”, declarou o jogador, citado pelo clube.

Na Itália, a condenação foi em primeira instância, o que justifica o não cumprimento da pena até hoje, já que o jogador recorreu da sentença.

No entanto, Robinho não pode ir para a Itália e nem entrar em países com acordos de extradição automática para o País. Aqui, não poderá ser extraditado automaticamente porque a lei brasileira não permite.

A jornalista Gabriela Arantes Brino, setorista do time, afirmou que a questão chegou a ser discutida nos bastidores. Aparentemente, não foi o suficiente para deixar de trazer o jogador de 36 anos de volta. Robinho estava sem clube desde agosto, quando encerrou seu contrato com o Istambul Basakeshir turco.

Nas redes, torcedores e outros seguidores criticaram o Santos por suas antigas postagens de apoio contra a violência contra a mulher.

*Com informações da AFP

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem