Caso Marielle: Ronnie Lessa e Élcio Queiroz entram com recurso para evitar júri popular

Presos desde 2019, eles respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe e emboscada

Ronnie Lessa e Élcio Vieira, apontados como executores da vereadora Marielle Franco (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Ronnie Lessa e Élcio Vieira, apontados como executores da vereadora Marielle Franco (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Sociedade

O sargento reformado da Polícia Militar Ronnie Lessa e o ex-PM Élcio Queiroz entraram com recurso na Justiça para não serem levados a júri popular, conforme determinou, em março, a 4ª Vara Criminal da Justiça do Rio. Os recursos serão julgados pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça. Ronnie e Élcio são acusados das mortes da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes, executados no Estácio, bairro na Região Central do Rio, em 14 de março de 2018.

Os dois estão presos desde o ano passado em Porto Velho (RO) e respondem por duplo homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, emboscada e sem dar chance de defesa às vítimas.

Ronnie Lessa é apontado na denúncia como o autor dos disparos. Ele estaria no banco de trás do Cobalt que perseguiu o carro da vereadora. Segundo a investigação, Élcio de Queiroz dirigia o veículo.

Ainda não há respostas sobre quem mandou matar Marielle e Anderson. O caso é tratado como sigiloso pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ). A Polícia Federal havia se oferecido para assumir as investigações, mas o estado declinou.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem