Justiça

Band e Datena terão de indenizar homem por exposição indevida em reportagem

O autor da ação sustenta ter sido ligado de forma equivocada à prática de um crime. A investigação confirmou a versão do homem

Foto: Reprodução/TV Band
Apoie Siga-nos no

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo condenou a Band e o apresentador José Luiz Datena ao pagamento de indenização de 20 mil reais por danos morais contra um homem filmado no programa Brasil Urgente. Cabe recurso contra a decisão.

O alvo da reportagem acionou a Justiça sob o argumento de que foi associado à prática de um crime. A primeira instância paulista negou o pedido de indenização e o homem apresentou um recurso, acolhido em um acórdão publicado na última terça-feira 14.

Em 27 de março de 2019, o autor da ação estava em uma loja de peças para automóveis quando policiais chegaram ao local, acompanhados por uma equipe de reportagem do programa. O homem chegou a ser algemado e a imagem foi exibida na TV.

Segundo o acórdão do TJ-SP, Datena afirmou no ar que o “cara”, preso como receptador, logo estaria solto, em uma crítica à impunidade. “A polícia faz o seu trabalho. Mas logo depois acaba prendendo os mesmos caras de sempre, são velhos conhecidos em desmanches clandestinos”, disse, na ocasião.

As investigações policiais, contudo, identificaram que o homem estava na loja apenas para comprar um produto, como qualquer cliente, e não havia praticado crime.

“Conclui-se, portanto, que os réus sobre-excederam os justos limites do que se deve considerar o exercício de um jornalismo sério, e assim se deve considerar prevalecente a posição jurídica do autor no contexto do conflito de seus direitos fundamentais em face daquele direito que os réus invocam”, sustentou o relator do recurso no TJ, Valentino Aparecido de Andrade.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo