Bancada ativista aciona Silvio Santos na Justiça por crime de racismo

Parlamentares recuperam caso em que apresentador mudou as regras de um quadro televisivo para não premiar uma mulher negra

Apresentador Silvio Santos. 
Foto: SBT

Apresentador Silvio Santos. Foto: SBT

Sociedade

O codeputado estadual Jesus dos Santos, da Bancada Ativista, protocolou nesta sexta-feira 13 uma representação na Justiça do Estado de São Paulo contra o apresentador do SBT, Silvio Santos. O parlamentar o acusa de racismo em decorrência da atitude do apresentador em programa veiculado no dia 8 de dezembro.

Durante o quadro “Quem Você Tira?”, onde cantoras competiam pela preferência do público interpretando uma mesma canção, Silvio Santos desconsiderou o resultado da votação e entregou o prêmio em dinheiro para uma de suas escolhidas.

“Jennyfer Oliver foi a última a se apresentar e a única das quatro competidoras que teve a interpretação interrompida pelo argumento do apresentador dizendo que a música era muito chata. Mesmo assim, o público a escolheu como a melhor interpretação: recebeu 84 votos, contra 8, 5 e 3 das demais competidoras. Ainda assim, Silvio Santos mostrou descontentamento com a vitória larga de Jennyfer Oliver, a única negra na competição. Logo após, ignorou a escolha do público e disse: ‘Na minha opinião, a melhor intérprete de televisão é a Juliani. Você ganhou. Você é muito bonita, você canta bem e ganhou mais 500 reais’, recupera um trecho da representação.

Santos entende que a conduta pode ser tipificada no art. 20 da Lei 7.716/89, que considera preconceito de raça ou cor: “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional. A Lei ainda prevê como pena reclusão de um a três anos e multa. O parlamentar também recorre ao artigo 5º da Constituição Federal que considera a prática do racismo crime inafiançável e imprescritível.

A representação ainda cita outros três episódios que envolveriam o apresentador em casos de racismo. Em abril de 2016, durante a apresentação de um programa televisivo, Silvio Santos perguntou no palco a uma menina com cabelo black power se ela “estava bem com o cabelo”. A criança respondeu que “sim, que estava se sentindo bem”. E em outro momento ainda disse para a menina que seu cabelo estava “chamando atenção demais”. Em 2014, no programa Teleton, o spresentador perguntou crianças o que elas pretendiam ser no futuro. A atriz Julia Olliver, a Pata da novela Chiquititas, respondeu que continuaria a ser atriz ou cantora. Na referida novela, ela cantava e atuava. Em seguida, ouviu do representado a pergunta: “Mas com esse cabelo?”, demonstrando absoluto preconceito com um tipo de cabelo característicos de pessoas negras”. Em 2016, também no programa Teleton, Silvio repetiu a mesma atitude que pode ser considerada como racista ao entrevistar uma dançarina negra. O apresentador disse, na ocasião, “Você é muito graciosa. Embora sendo a única negra entre as brancas, é bonita. É bonita de verdade”. Depois de perguntar quanto a dançarina pesava, disse: “Quem casar contigo vai ter dois prazeres. Um na hora do bem bom e outro na hora em que você sai de cima”.

O parlamentar fala sobre a necessidade de superar “uma forte política de embranquecimento que resultou na construção das periferias desse país, resultando a essas pessoas uma condição social de miserabilidade. Acompanhada deste contexto, a inferiorização destes povos por meio da inferiorização dos seus potenciais, do seu conhecimento, da sua cultura, e da sua estética, culminou numa série de fatores que corrobora com o processo de segregação racial e discriminação e colocando estas e estes sujeitos em um grau de inferioridade”. E ainda atrela à figura do apresentador, um dos mais conhecidos do Brasil e dono de uma concessão de televisão , a responsabilidade de não propagar, em nenhuma das suas formas, o racismo internalizado em nossa sociedade.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem