Justiça

Após a indicação de Dino ao STF, instituto lança o Observatório Raça e Justiça

Entidade, que esteve na campanha ‘Ministra Negra no STF’, busca construir políticas públicas para a diversidade na Justiça

Projeção na Biblioteca Nacional em 24 de agosto de 2023 pede indicação de ministra negra ao STF — Foto: Coalizão Negra Por Direitos
Apoie Siga-nos no

O Instituto Defesa da População Negra lançou nesta terça-feira 28 o Observatório Raça e Justiça, para criar e monitorar políticas públicas no Judiciário voltados à população negra no Brasil. 

A iniciativa surge após a indicação do ministro da Justiça, Flávio Dino, ao Supremo Tribunal Federal, para ocupar a cadeira deixada por Rosa Weber

O instituto integrou o movimento Ministra Negra no STF. Entre as ações da mobilização, levou à Times Square um teaser do curta Toda criança tem um sonho, que ressaltava a importância da diversidade no Supremo

Em nota, a organização afirma que, apesar de não conseguir a indicação, “a campanha foi vitoriosa ao jogar luz na absurda ausência de diversidade racial na Justiça do País”.

Em 132 anos de existência, o STF teve 171 ministros. Entre eles, três mulheres, três homens negros e nenhuma mulher negra.

Nesse sentido, o Observatório, criado em parceria com a plataforma alemã FES Brasil, busca fomentar a manutenção do diálogo sobre a representatividade da população nos cargos e nas políticas do Judiciário.

“Iremos auxiliar na construção e avaliação de políticas públicas que visem aumentar a diversidade étnico racial do sistema de justiça, bem como, produzindo dados, pesquisas e elaborando diagnósticos do que já está em curso.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.