95% de mulheres que realizaram aborto não se arrependem, diz pesquisa

Pesquisadores ouviram mulheres nos EUA que realizaram o procedimento legalmente e que foram entrevistadas ao longo de cinco anos

95% de mulheres que realizaram aborto não se arrependem, diz pesquisa

Sociedade

Um estudo publicado na revista Social Science & Medicine no domingo 12 afirmou que a maioria das mulheres americanas que realizaram o aborto legal não se arrependem da decisão.

Os pesquisadores conversaram diversas vezes com 667 mulheres dos Estados Unidos em um período de cinco anos após o procedimento, e 95% reconheceram que a decisão foi a melhor a ser tomada na época. As informações são do jornal britânico The Guardian.

A pesquisa possuiu resultados semelhantes a uma já feita em 2015, que também apresentou a porcentagem alta em relação à aceitação do procedimento – que ainda possui resistência mesmo em lugares onde o aborto é previsto pela lei ou pela Suprema Corte, como é o caso dos Estados Unidos.

Entre as perguntas feitas a cada uma das mulheres, se explorava se elas sentiam “tristeza, culpa, alívio, arrependimento, raiva ou felicidade” em relação à decisão, diz o jornal. Ao longo dos cinco anos de conversas, o sentimento de alívio foi o predominante.

No entanto, o processo não é linear. Nos dois primeiros anos após a realização do aborto, muitas mulheres apresentam sentimentos conflitantes e misturados, como a sensação de culpa e de alívio simultaneamente. Conforme o tempo passa, permanece a sensação positiva em relação ao procedimento.

A pesquisadora-chefe do estudo, Corinne Rocca, da Universidade da Califórnia em São Francisco, afirmou à reportagem do The Guardian que ainda há o estigma que as mulheres que passam pelo aborto necessariamente sofrerão consequências emocionais severas e perigosas. Segundo a pesquisa, porém, o cenário não se afirma dessa maneira na prática. Para Rocca, o alarde demasiado é impulsionado principalmente por grupos anti-aborto.

No mundo, cerca de 63 países têm o aborto como uma prática legalizada e que não prevê prisão para as mulheres que optarem pela interrupção da gestação. Normalmente, só é possível interromper a gravidez de forma legal até a 12ª semana de gestação. Há também países que permitem a prática em casos de estupro, risco de morte materna ou feto anencéfalo – como é o caso do Brasil, em que demais formas de aborto são criminalizadas.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem