Saúde

RS confirma mais 19 casos de leptospirose após enchentes; total vai a 48

O estado ainda tem 545 casos suspeitos e duas mortes registradas

Registro de Porto Alegre em 13 de maio de 2024. Foto: Anselmo Cunha/AFP
Apoie Siga-nos no

A Secretaria Estadual da Saúde do Rio Grande do Sul confirmou, na manhã desta quinta-feira 23, mais 19 casos de leptospirose após as enchentes que castigam o estado desde o fim de abril. Agora, o total de registros chega a 48.

A confirmação dos casos ocorreu depois de uma análise do Laboratório Central do Estado. Há, ainda, 545 pessoas sob suspeita de contágio.

Até 19 de abril, a secretaria contabilizava 129 casos e seis mortes por leptospirose neste ano. Em 2023, houve 477 casos e 25 óbitos.

Na última terça-feira 21, a prefeitura de Venâncio Aires (RS), a 133 quilômetros de Porto Alegre (RS), confirmou a segunda morte por leptospirose no estado após as enchentes. Um dia antes, o governo havia divulgado um óbito em Travesseiro, cidade do Vale do Taquari.

A leptospirose é uma doença infecciosa febril aguda transmitida pela exposição direta ou indireta à urina de animais (principalmente ratos) infectados pela bactéria Leptospira. A penetração ocorre a partir da pele imersa por longos períodos em água contaminada ou por meio de mucosas.

O período de incubação, ou seja, o intervalo de tempo entre a transmissão da infecção e o início dos sintomas, pode variar de um a 30 dias e normalmente ocorre entre sete e 14 dias após a exposição a situações de risco.

Os primeiros sintomas da doença são febre, dor de cabeça, dor muscular, principalmente nas panturrilhas, falta de apetite e náuseas/vômitos.

O tratamento com o uso de antibióticos deve começar no momento da suspeitaPara os casos leves, o atendimento é ambulatorial, mas, nos casos graves, a hospitalização deve ser imediata, a fim de evitar complicações e diminuir a letalidade.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo