Saúde

Rio Grande do Sul registra a 2ª morte por leptospirose após enchentes

O caso mais recente aconteceu na cidade de Venâncio Aires, cidade a 133 quilômetros de Porto Alegre

Créditos: Gustavo Mansur / Palácio Piratini
Apoie Siga-nos no

A prefeitura de Venâncio Aires (RS), cidade a 133 quilômetros de Porto Alegre (RS), confirmou nesta terça-feira 21 uma morte por leptospirose.

A vítima, cujo nome não foi divulgado, é um homem de 33 anos. Segundo a gestão municipal, a morte ocorreu em 17 de maio.

Trata-se do segundo óbito pela doença no Rio Grande do Sul após as enchentes que castigaram o estado nas últimas semanas. Na segunda-feira 20, o governo confirmou a morte de um idoso de 67 anos que se contaminou em Travesseiro, cidade do Vale do Taquari.

Em Travesseiro, há outros dois casos positivos da doença, mas os pacientes já se recuperaram, segundo o Centro de Atendimento de Doenças Infecciosas do município.

A leptospirose é uma doença infecciosa febril aguda transmitida pela exposição direta ou indireta à urina de animais (principalmente ratos) infectados pela bactéria Leptospira. A penetração ocorre a partir da pele imersa por longos períodos em água contaminada ou por meio de mucosas.

O período de incubação, ou seja, o intervalo de tempo entre a transmissão da infecção e o início dos sintomas, pode variar de um a 30 dias e normalmente ocorre entre sete e 14 dias após a exposição a situações de risco.

Os primeiros sintomas da doença são febre, dor de cabeça, dor muscular, principalmente nas panturrilhas, falta de apetite e náuseas/vômitos.

O tratamento com o uso de antibióticos deve começar no momento da suspeitaPara os casos leves, o atendimento é ambulatorial, mas, nos casos graves, a hospitalização deve ser imediata, a fim de evitar complicações e diminuir a letalidade.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo