Pazuello agora prevê início de vacinação até 21 de janeiro, diz governador do PI

Governador do Pará, Helder Barbalho, afirma que contrato para aquisição da Coronavac pelo governo federal deve ser assinado nesta semana

EDUARDO PAZUELLO. FOTO: CAROLINA ANTUNES/PR

EDUARDO PAZUELLO. FOTO: CAROLINA ANTUNES/PR

Saúde

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), afirmou que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, acertou com governadores procedimentos que viabilizam o início da vacinação contra a Covid-19 até o dia 21 de janeiro.

 

 

Após a apresentação do Plano Nacional de Vacinação, nesta quarta-feira 16, o ministro se reuniu com governadores para debater estratégias para a imunização.

“Acertamos procedimento por parte do ministério que prevê assinatura de contrato e negociações em condições de até 21 de janeiro, via Fiocruz, (Instituto) Butantan, Pfizer, fornecer vacina para se ter início da vacinação no Brasil. Pode ser antes, mas o cronograma é que não seja depois. O Brasil poder começar até 21 de janeiro. (Haverá) Todo esforço para que possa ser até antes”, afirmou o governador ao jornal O Globo após o encontro.

Dias declarou ainda que o ministro da Saúde confirmou a compra de 46 milhões de doses da vacina Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

Já o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), que também participou da reunião, afirmou que o contrato que oficializa a aquisição da Coronavac pelo governo federal deve ser assinado ainda nesta semana. “Pazuello nos garantiu que recebeu o contrato ontem e disse que o governo assina o contrato ainda nesta semana para aquisição de 45 milhões de doses. Elas serão entregues até março pelo Instituto Butantan”, disse Barbalho.

Ainda segundo o governador do Pará, há no contrato uma cláusula que exige que a totalidade da oferta produzida pelo Instituto Butantan seja direcionada para o plano nacional de imunização, sob coordenação do Ministério da Saúde.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem