Mundo

OMS e EUA monitoram nova variante do vírus da Covid-19

Até o momento, a nova variante foi detectada nos Estados Unidos, em Israel e na Dinamarca

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom. Foto: Fabrice Coffrini/AFP
Apoie Siga-nos no

A Organização Mundial da Saúde (OMS) e as autoridades dos Estados Unidos anunciaram nesta sexta-feira (18) que estão monitoram de perto uma nova variante do vírus da Covid-19, denominada BA.2.86, embora seu potencial impacto seja desconhecido no momento.

A OMS decidiu classificar a nova variante “na categoria de variantes sob vigilância devido ao grande número de mutações (mais de 30) do gene Spike que possui”, afirmou a organização em seu boletim epidemiológico dedicado à pandemia de Covid-19.

A proteína Spike é a que dá ao vírus sua aparência pontiaguda e possibilita que o SARS-CoV-2 consiga penetrar nas células hospedeiras.

Até o momento, a nova variante foi detectada nos Estados Unidos, em Israel e na Dinamarca.

Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) informaram que estão monitorando de perto a variante, em uma mensagem publicada na rede social X (ex-Twitter).

No momento, apenas quatro sequências da variante são conhecidas, sem conexões epidemiológicas associadas conhecidas, explicou a OMS.

“O impacto potencial das mutações BA.2.86 é desconhecido atualmente e está sendo avaliado minuciosamente”, acrescentou a organização, que reiterou a importância de seguir com a vigilância, sequenciamento e notificação às autoridades competentes para permitir uma visão exata do conjunto da pandemia de Covid-19.

A OMS está monitorando três variantes de interesse (XBB.1.5, XBB.1.16 e EG.5) e sete variantes estão sob vigilância (BA.2.75, BA.2.86, CH.1.1, XBB, XBB.1.9.1, XBB.1.9.2 e XBB.2.3).

Muitos países que estabeleceram dispositivos de vigilância específicos para a presença do vírus da Covid-19 e suas variantes acabaram com os sistemas, por considerar que a ameaça diminuiu e que os gastos que representavam não eram justificados.

No início de maio, a OMS deixou de considerar a pandemia uma emergência de saúde mundial. Na semana passada, o diretor geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, destacou que “o vírus continua circulando em todos os países, continua matando e continua em mutação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo