Índia inicia exportação de vacinas, mas Brasil está fora da lista de prioridades

Butão e Bangladesh aparecem à frente do Brasil em comunicado do governo indiano; Pazuello não crava data para a chegada das doses

Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Jair Bolsonaro e Eduardo Pazuello. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Saúde

A Índia inicia nesta semana a exportação de doses da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford e pelo laboratório AztraZeneca, sob produção do instituto indiano Serum. O Brasil, no entanto, não faz parte da relação de países que receberão os imunizantes com prioridade.

 

 

Compõem a lista Butão, Ilhas Maldivas, Bangladesh, Nepal, Mianmar e Ilhas Seychelles. Segundo a agência Reuters, pessoas envolvidas nas negociações adiantaram que o Butão deve receber as doses nesta quarta-feira 20. Um dia depois, será a vez de Bangladesh.

De acordo com comunicado do governo indiano, Sri Lanka, Afeganistão e Ilhas Maurício também estão na lista, mas há pendência de documentos.

No domingo 17, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária autorizou o uso emergencial de dois milhões de doses da vacina de Oxford no Brasil. Nesta segunda-feira 18, entretanto, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, informou que ainda não obteve uma “resposta positiva” sobre a importação das vacinas da Índia.

“Todos os dias temos tido reuniões diplomáticas com a Índia. Estamos recebendo a sinalização de que isso deverá ser resolvido nos próximos dias dessa semana. Não tenho a resposta positiva até agora. Não há resposta positiva de saída até agora. Está sinalizado para os próximos dias dessa semana o embarque da carga para cá”, disse Pazuello em entrevista no Palácio do Planalto.

No sábado 16, a Índia iniciou sua ambiciosa campanha de imunização contra a Covid-19 com duas vacinas: a de Oxford e a da Bharat Biotech, desenvolvida em solo indiano.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital. Twitter: leomiazzo

Compartilhar postagem