Política

Governo Lula anuncia medida que facilita acesso a tratamento para pacientes do RS com HIV e hepatite

Pacientes poderão obter os medicamentos mesmo com receitas vencidas e se estiverem fora do estado

Antirretroviral utilizado no tratamento de HIV/Aids. Brasília, 28/09/2016. Foto: Rodrigo Nunes/Ministério da Saúde
Apoie Siga-nos no

O Ministério da Saúde publicou, nesta sexta-feira 10, uma nota técnica para facilitar o acesso a antivirais durante a situação de calamidade pública no Rio Grande do Sul.

A decisão foi tomada diante da dificuldade que desabrigados e afetados pelas enchentes enfrentam para retirar os medicamentos de tratamento contínuo do HIV/Aids ou de hepatites B e C.

Com a nota técnica, pacientes passam a ter acesso aos medicamentos com receita médica sem data de validade ou com a validade vencida e sem a exigência de exames de carga viral. A medida vale também para moradores abrigados em outros estados.

No caso das pessoas que vivem com HIV, a pasta indica que, em caso de indisponibilidade dos medicamentos lamivudina 150mg e dolutegravir 50mg, elas poderão receber a dose fixa combinada de lamivudina 300mg + dolutegravir 50mg, independentemente da faixa etária e do uso de outros ARV concomitantes.

O Departamento de HIV, Aids, Tuberculose, Hepatites Virais e Infecções Sexualmente Transmissíveis, responsável pela nota técnica, também diz estar em progresso um levantamento de perdas de medicamentos e insumos para diagnóstico e prevenção em laboratórios ou serviços de saúde, além das respectivas medidas para reposição.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo