Crivella mantém medidas de afastamento social no Rio de Janeiro

O prefeito também decretou turnos de trabalho para os setores da indústria e comércio com o objetivo de evitar aglomerações nos transportes

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil)

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil)

Política,Saúde

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, confirmou em suas redes sociais, nesta segunda-feira o6, que serão mantidas na cidade as medidas de afastamento social por conta do coronavírus. O prefeito afirmou que a decisão unânime foi tomada em reunião com a comunidade científica da cidade. O estado do Rio de Janeiro tem 1.394 casos confirmados e 64 mortes, segundo o último balanço do Ministério da Saúde. Dos casos confirmados, a capital concentra 1.068 pacientes infectados e 42 mortes.

A orla das zonas Oeste e Sul concentra a maioria dos registros, liderados por Barra da Tijuca (102), Leblon (61), Copacabana (53) e Ipanema (24).

A Rocinha, maior favela da cidade, registrou os primeiros casos no último domingo 5: quatro, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde.

Há também registros nas comunidades de Vigário Geral (2), Cidade de Deus (1), Complexo do Alemão (1) e Vidigal, por exemplo.

Segundo o prefeito, não há a ‘menor chance’ de reabrir comércio do Rio por enquanto.

Também nesta segunda-feira 6, Crivella decretou turnos de trabalho para os setores da indústria e comércio com o objetivo de evitar aglomerações nos transportes públicos. A partir da terça-feira 7, o início dessas  atividades fica dividido entre os seguintes horários:

  • Para os estabelecimentos comerciais, os serviços funcionam após as 9h;
  • Para os estabelecimentos industriais, atividades antes das 6h.
Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem