Entrevistas

Covid-19: Era previsível que jovens começariam a morrer, diz Margareth Dalcolmo

A pesquisadora da Fiocruz aponta vacinação lenta e falta de distanciamento social como maiores problemas e alerta para risco de novas ondas

(Foto: Arquivo Pessoal)
(Foto: Arquivo Pessoal)

Com o ritmo de vacinação lento e sem nenhuma sinalização para um lockdown nacional, o Brasil corre o risco de registrar 5 mil mortes diárias por Covid-19 e chegar aos 500 mil óbitos nos próximos meses. Os números são considerados plausíveis pela doutora Margareth Dalcolmo, pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Segundo ela, o País precisa, neste semestre, imunizar 70% da população brasileira, o que corresponde a 170 milhões de pessoas. “Sem isso, não vamos interceptar epidemia”, diz, em entrevista a CartaCapital.

Depois do “março mais tristes das nossas vidas”, prevê a doutora, um cenário semelhante deve ocorrer ao longo do mês de abril. “Quanto a maio, eu não vejo prognóstico de melhora”, admite.

No último domingo 18, o Brasil atingiu a marca de 373.335 mortes decorrentes do coronavírus, segundo o Conselho Nacional das Secretárias de Saúde. Já o número de brasileiros vacinados é de apenas a 26,1 milhões, ou 12,36% da população.

“A vacinação não está em um ritmo desejável, mas mesmo se estivéssemos imunizando 2 milhões de pessoas por dia, que seria o razoável, não seria suficiente, pois só a vacina não faz milagre”, reforça Margareth.

A doutora diz ainda que, dadas as características demográficas do País, era previsível que a Covid-19 começasse a atingir não só idosos.

“Eu cheguei a falar, há uns sete meses, que a Covid-19 iria se rejuvenescer no Brasil”, lembra. “Hoje, temos gente de menos de 50 anos ocupando leitos de CTI. A pressão sobre o sistema hospitalar acontece por gente mais jovem.”

O maior risco hoje, diz a doutora, é o surgimento de novas variantes. “A transmissão muito alta no Brasil facilita a mutação.”

Confira a entrevista a seguir:

CartaCapital: Doutora, podemos esperar um abril pior do que março? E, pelo que temos visto, teremos um maio trágico?

Margareth Dalcolmo: Nós tivemos o mais triste março das nossas vidas e o mesmo deve ocorrer em abril. Quanto a maio, eu não vejo prognóstico de melhora. Temos uma taxa de transmissão [o R0] acima de 1 em vários locais do País e, enquanto isso ocorre, nós consideramos a epidemia em ponto crítico, meio fora de controle.

Tudo isso acontece com o agravante das novas variantes brasileiras, que têm dois problemas: elas são muito mais transmissíveis e estão contaminando muito mais jovens. E por que os jovens? Porque são os que continuaram na mobilidade social, são os que mais saem, fazem festa e não usam máscara.

No Brasil, a vacinação não está em um ritmo desejável, mas mesmo se estivéssemos imunizando 2 milhões de pessoas por dia, que seria o razoável para nós, não seria suficiente, pois só a vacina não faz milagre. Mesmo as pessoas vacinadas, caso se exponham novamente, correm risco, pois nenhum imunizante dá a proteção de 100%.

CC: O perfil das vítimas e dos infectados mudou, portanto?

MD: Eu cheguei a falar, há uns sete meses, que a Covid-19 iria se rejuvenescer no Brasil. Proporcionalmente, nós não temos uma população grande de idosos como na Europa. Era natural que acontecesse o que vem ocorrendo hoje.

Hoje, temos gente de menos de 50 anos ocupando leitos de CTI. A pressão sobre o sistema hospitalar acontece por gente mais jovem e isso era previsível.

CC: É exagero falarmos em 5 mil mortes por dia e 500 mil óbitos ao todo?

MD: Matematicamente é plausível, pois não conseguimos vacinar em um ritmo mais acelerado e nem mantemos as pessoas em distanciamento social.

O distanciamento só vai ocorrer com ajuda à população mais pobre, que está desempregada. Tem que dar comida e condições para que as pessoas fiquem casa.

CC: Dado este cenário, só o lockdown resolveria? Quanto tempo ele deveria durar?

MD: Precisaria fechar o País inteiro por duas ou três semanas sem mobilidade social nenhuma. Esse teria sido, do ponto de vista do modelo de contenção epidêmico, o ideal.

Os fechamentos que ocorreram até agora foram meia-boca, pois ninguém conseguiu alcançar uma taxa de distanciamento social de 50%, que é a que consideramos razoável.

CC: Com o ritmo lento de vacinação e com pessoas sem receber a segunda dose em muitos lugares, há a possibilidade de novas ondas?

MD: Nós já temos terceira onda no Norte no País. Nos EUA, eles enfrentam a quarta onda. Algumas áreas da China, como Hong Kong, também estão na quarta onda. Pode acontecer como na época do surto da Gripe Espanhola, que teve três ondas.

É preciso entender que a Covid-19 não vai desaparecer das nossas vidas. Ao longo dos próximos meses nós vamos conseguir conter a transmissão epidêmica, mas o vírus não desaparecerá, a exemplo dos coronavírus anteriores. O mundo tem que se preparar melhor para essas pandemias, pois certamente haverá outras.

CC: É alto o risco de surgimento de novas variantes?

MD: Vírus são patógenos que mutam o tempo todo para sobreviver. O SARSCOV2 é menos mutante que o vírus Influenza, da gripe, por exemplo, e é por isso que todo ano a vacina da gripe é nova.

Mas o vírus da Covid tem características muito particulares. A transmissão muito alta no Brasil facilita a mutação. Se nós mantivermos essa taxa de transmissão atual, estaremos favorecendo o aparecimento de novas variantes. Esse hoje é o nosso maior risco.

CC: Qual a avaliação da senhora sobre o projeto que autoriza empresários comprarem vacinas?

MD: Eu sou completamente contrária, porque viola os preceitos do Programa Nacional de Imunização. E é irreal, pois os fabricantes não vão vender vacinas para empresários. Há de se buscar a equidade, algo que nunca foi tão necessário quanto hoje.

CC: Qual o número ideal de vacinados neste semestre?

MD: Tem que se vacinar 70% da população brasileira, ou 150 milhões de pessoas. Sem isso, não vamos interceptar epidemia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!