Coronavírus: Estudo mostra que curva de mortes no Brasil está maior que a da Espanha

Espanha é hoje o terceiro país mais afetado no mundo pela pandemia, somando mais de 22 mil mortes

(Foto: Nathalie Brasil/ Semcom)

(Foto: Nathalie Brasil/ Semcom)

Saúde

O número de mortes pelo novo coronavírus no Brasil está maior do que quando a Espanha passava na mesma fase da pandemia. Foi o que mostrou um estudo feito pelo Observatório Covid-19 BR, que analisou os dados divulgados pelo Ministério da Saúde.

A Espanha, terceiro país mais atingido do mundo, registrou, nesta quinta-feira (23), 440 mortes por coronavírus nas últimas 24 horas somando 22.157 óbitos no total e 213.024 casos confirmados.

 

Uma das ferramentas para fazer essa análise prevê  quanto tempo o coronavírus leva para dobrar o número de óbitos. Segundo o Observatório, que reúne especialistas de sete universidades brasileiras, nesta terça-feira 21, o tempo de duplicação do número de mortos por Covid-19 no Brasil era de 9 dias e 14 horas. Já na Espanha, esse número estava em 12 dias e 7 horas há duas semanas (8 de abril).

O resultado mostra que, por esse critério, o cenário no Brasil é pior que o da Espanha se comparados períodos correspondentes do avanço do coronavírus.  As secretarias estaduais de Saúde divulgaram, até as 11h45 desta quinta-feira (23), 46.701 casos confirmados de infectados pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2) no Brasil, com 2.940 mortes pela Covid-19.

“O Brasil teve mais tempo para se preparar, realizou um isolamento social não ideal, mas razoável, nas grandes metrópoles e nos primeiros dias da pandemia”, disse ao portal G1 o epidemiologista da Unesp, Carlos Magno Fortaleza. “No entanto, esse isolamento começa a relaxar, e com esse relaxamento nós podemos, sim, ter um aumento explosivo de mortes e chegar a uma situação semelhante à dos Estados Unidos”, pontuou.

Participam da pesquisa especialistas da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual Paulista (Unesp), da Universidade de Brasília (UnB), Universidade Federal do ABC (UFABC), Universidade de Berkley (nos Estados Unidos) e Universidade de Oldenburg (na Alemanha).

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem