Coronavírus: Estado de Washington e San Francisco proíbem eventos em massa

Decisão tem como objetivo ajudar a prevenir uma maior propagação do coronavírus em território americano

Foto: Andrew Theodorakis/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP

Foto: Andrew Theodorakis/GETTY IMAGES NORTH AMERICA/AFP

Saúde

O estado de Washington e a cidade de San Francisco proibiram, nesta quarta-feira 11, a organização de eventos em massa. A decisão tem como objetivo ajudar a prevenir uma maior propagação do coronavírus em território americano. Os EUA têm, até o momento, 1.001 casos confirmados e 31 mortos pela doença.

Em Washington, epicentro do vírus nos Estados Unidos, com 268 casos e 24 mortes até o momento, o governador Jay Inslee proibiu eventos com mais de 250 pessoas nos condados de King, Snohomish e Pierce. A estrita proibição inclui eventos esportivos, musicais e religiosos, incluindo festivais, shows e desfiles.

“Está claro que nosso estado precisa de um posicionamento mais vigoroso, exaustivo e agressivo se queremos frear a propagação dessa epidemia”, disse o governador. A restrição entrará em vigor à princípio no final de março, mas é muito provável que será mantida por mais tempo, explicou Inslee.

A prefeita de San Francisco, London Breed, explicou que a proibição de eventos com mais de mil pessoas era “um passo importante em apoio à saúde pública”. A medida inicialmente durará duas semanas. O estado da Califórnia registra até o momento 157 casos de coronavírus, segundo o governador Gavin Newsom.

Equipes esportivas se mobilizam para cumprir as medidas. “Ainda que esperemos voltar a jogar beisebol em Seattle o quanto antes, a saúde e a segurança da nossa população é o mais importante”, indicou em comunicado a equipe Los Marineros de Seattle.

O governador Inslee ressaltou que outros condados poderiam ser incluídos na medida nos próximos dias. “É um vírus que, segundo especialistas, é potencialmente 10 vezes mais letal do que a gripe e isso exige uma resposta coerente com a natureza da ameaça”, insistiu o governador.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem