Saúde

Como a pandemia no Brasil afeta as diferentes populações vulneráveis

Estudo da ouvidoria-geral da Defensoria Pública de SP lista dificuldades entre moradores de rua e vários outros segmentos

Foto: Christiano Antonucci/Secom-MT (Fotos: Christiano Antonucci/Secom-MT)
Foto: Christiano Antonucci/Secom-MT (Fotos: Christiano Antonucci/Secom-MT)

Em um país marcado pela desigualdade, o que esperar dos impactos da maior crise sanitária do século? Para descobrir, a ouvidoria-geral da Defensoria Pública de São Paulo foi em busca de representantes das parcelas mais vulneráveis aos efeitos dessa crise: moradores de rua e ocupações, migrantes, catadores de material reciclável, pessoas com deficiência, população carcerária, negros, mulheres. O resultado está em um relatório de 95 páginas, divulgado em abril. Além de apontar dificuldades, esses segmentos também fizeram sugestões ao poder público de como contê-las.

Meses depois, o desfecho é pouco animador. É verdade que, no início da crise, o Estado teve uma postura ostensiva importante para frear o aumento da pandemia. Por outro lado, ignorou as necessidades singulares de cada um desses grupos. E tornou a pandemia mais severa. “Um cego se relaciona através do tato. Máscaras e luvas praticamente eliminam o contato dessa pessoa com o mundo exterior. A população de rua não consegue se isolar, e as alternativas estatais para isso são péssimas. Mulheres em situação de violência doméstica, idem”, avalia Willian Fernandes, ouvidor-geral da Defensoria Pública. 

Em tempos normais, a Defensoria atende em média 13 mil casos por ano – a quarentena inibiu a procura pela Justiça. Mas, apesar do ‘fique em casa’, continuam havendo ações como reintegrações de posse e despejos. Desde o início da crise, houve ao menos dez reintegrações de posse em São Paulo. A mais recente ocorreu na segunda quinzena de junho. Foram despejadas 900 famílias de um terreno em Guaianases, na zona leste da capital. “Isso nos preocupa muito. De um lado, o Estado recomenda às pessoas ficar em casa. De outro, apresenta uma ordem que as põe na rua”, lamenta Fernandes.  A Defensoria chegou a enviar uma solicitação ao Tribunal de Justiça de São Paulo para suspender o cumprimento dessas ordens durante a pandemia, mas os juízes continuam avaliando caso a caso. Só na capital, a fila de espera por moradias é de 200.755 mil famílias com cadastro ativo. 

A maioria dessas famílias sobrevive do trabalho informal: vende de bolos nas esquinas, águas nos semáforos, espetinhos e quentinhas. A perda dessa renda dificultou manter alimentação e a higiene adequadas. Famílias, muitas vezes numerosas, ficam restritas às humildes ‘moradas’. O fechamento das escolas e creches agravou a situação. Entre os que vivem na rua, a insegurança alimentar e a falta de moradia se somam ao um outro temor: a violência. “Com menos gente na rua, a polícia tem sido mais intolerante que o normal”. avalia. Além disso, essa população enfrenta dificuldades extras em conseguir o auxílio emergencial. 

Confira a entrevista seguir:

CartaCapital: Passados quase quatro meses da chegada da pandemia, que balanço você faz da atuação estatal?

Willian Fernandes: A postura inicial de ostensividade e a medidas gerais foram importantes para frear o aumento da pandemia. Entretanto, essas medidas ignoraram as diversas singularidades que cada segmento social possui. Ao mesmo tempo, temos problemas de ordem econômica tem pressionado o governo a uma certa flexibilização. E não temos segurança para isso. Medidas foram céleres, eficazes, necessárias, entretanto, foram gerais.  Todas essas recomendações ignoraram as especificidades de cada segmento. Portanto, a covid-19 foi muito mais severa para grupos já vulneráveis.

Willian Fernandes. ouvidor-geral da Defensoria Pública de São Paulo (Foto: Reprodução)

CC: Poderia dar exemplos concretos?

WF: Um cego, por exemplo, se relaciona através do tato. Ao recomendar isolamento e utilização de máscaras ou luvas a uma pessoa com deficiência, você praticamente elimina o contato desse indivíduo com o mundo exterior. Com a população de rua, é parecido. Muitos vivem aglomerados. E as alternativas estatais contra isso são péssimas. As mulheres em situação de violência doméstica, idem. Como forçá-las a ficar mais tempo perto do potencial agressor? Nas ocupações e favelas, o espaço não privilegia o isolamento.

Ainda é cedo pra saber como o será o mundo pós-pandemia, mas é certo que a desigualdade social vai aumentar. 

CC: Economistas indicam que essa crise vai aumentar a desigualdade, e não só no Brasil. Como mitigar esses efeitos?

WF: Com atuação estatal efetiva. Certamente, as classes mais abastadas sentirão menos os efeitos. Medidas como auxílio emergencial deveriam ser estendidas, e com menos burocracia na análise. Quando você burocratiza o acesso, prolonga a situação de penúria dessas pessoas já busca pelo auxílio. Abrigos, hotéis para a população em situação de rua, abrigo de mulheres em situação de violência doméstica… Isso são exemplos. Ainda é cedo pra saber como o será o mundo pós-pandemia, mas é certo que a desigualdade social vai aumentar. E a única maneira de combatê-la é com uma presença mais forte do estado entre os que mais precisam.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!