Com números em alta, Brasil chega a 181.835 mortes por Covid-19

País também se aproxima da marca de 7 milhões de casos confirmados, de acordo com boletim do Conselho Nacional de Secretários de Saúde

FOTO: ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

FOTO: ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

Saúde

O Brasil chegou nesta segunda-feira 14 à marca de 181.835 mortes por Covid-19 desde o início da pandemia. Nas últimas 24 horas, segundo boletim do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), foram 433.

 

 

Entre domingo e segunda, o País também confirmou 25.193 novos casos da doença. Com isso, o total de diagnósticos positivos vai a 6.927.145.

 

 

São Paulo é o estado mais impactado pela pandemia do novo coronavírus, com 44.050 mortes e 1.337.016 casos confirmados.

O segundo estado mais atingido é o Rio de Janeiro, com 23.740 mortes, seguido por Minas Gerais (10.711), Ceará (9.786) e Pernambuco (9.299).

Nesta segunda, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou que os pedidos para uso emergencial de vacinas contra a Covid-19 serão avaliados em até dez dias. Isso acontecerá, porém, “desde que sejam vacinas das empresas que venham apresentando dados para Anvisa e possuem ensaios clínicos em condução no Brasil”.

O anúncio veio horas depois de o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmar o adiamento da entrega dos resultados finais dos testes da vacina Coronavac à Anvisa. O Instituto Butantan, responsável por produzir o imunizante no Brasil, enviará os dados à agência na terça-feira 23 – oito dias após a previsão inicial. Mesmo assim, o tucano declarou que mantém a projeção de iniciar a imunização em São Paulo no dia 25 de janeiro.

A média móvel de mortes por Covid-19 no Brasil nos últimos 7 dias é de 645. No dia 14 de novembro, há exatamente um mês, era de 484.

Já a média móvel de casos no período é de 43.319, ante 27.914 há um mês.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem