Brasil tem maior taxa de transmissão de Covid-19 desde maio, diz estudo

De acordo com monitoramento do Imperial College, 100 pessoas seriam capazes de infectar outras 130

 FOTO: DOUGLAS MAGNO/AFP

FOTO: DOUGLAS MAGNO/AFP

Saúde

O monitoramento da pandemia do novo coronavírus realizado pela Imperial College de Londres mostrou que a taxa de transmissão do vírus no Brasil aumentou. O índice Rt atingiu 1,3 nesta terça-feira 24, apontou o relatório da universidade.

 

 

Com isso, 100 pessoas seriam capazes de infectar outras 130. Essa é a maior taxa no País desde o dia 24 de maio, quando a taxa foi de 1,31, segundo informações do portal G1.

Pela margem de erro das estatísticas da universidade, a taxa pode ser maior e atingir 1,45, ou menor, indo até 0,86.

A notícia vem concomitante a um relatório organizado por pesquisadores brasileiros que apontam a chegada da 2ª onda de Covid-19 no Brasil.

A nota técnica foi assinada por seis cientistas da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade do Estado da Bahia (Uneb), da Universidade de Brasília (UnB) e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia Campus Salvador (IFBA).

Os especialistas apontam urgência na adoção de medidas, como uma ação coordenada pelo governo federal, políticas de isolamento e distanciamento social, testagem em massa com rastreamento de contatos, campanhas públicas de informação e apoio financeiro aos cidadãos menos favorecidos.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem