Brasil tem 667 mortes e 13,7 mil casos de coronavírus, diz Ministério

Em 24 horas, país registrou mais 114 óbitos e 1,6 mil infecções

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Política,Saúde

O Ministério da Saúde confirmou 667 mortes e 13.717 mil casos de coronavírus, segundo atualização nesta terça-feira 7. São 114 óbitos e 1.661 infecções a mais em relação ao dia anterior, quando a pasta informou 553 falecimentos e 12.056 mil contaminações.

Região com maiores números, o Sudeste contabiliza 477 mortes e 8.138 casos. Em 2º lugar, o Nordeste aparece com 103 mortes e 2.417 casos, seguido do Sul, com 34 mortes e 1.428 casos, depois Norte, com 33 mortes e 951 casos, e Centro-Oeste, com 20 mortes e 783 casos.

Só no estado de São Paulo são 371 óbitos e 5.682 contaminações. Em seguida, vem o Rio de Janeiro, com 89 falecimentos e 1.688 pacientes. Seguem na lista de estados com maior letalidade: Pernambuco (34 mortes), Ceará (31) e Amazonas (23). A taxa de letalidade no conjunto do país é de 4,9%.

No dia anterior, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, voltou a reforçar o pedido de isolamento social para conter a proliferação do novo coronavírus. Ameaçado de demissão, Mandetta afirmou que permanece no cargo e que “médico não abandona paciente”. No entanto, reclamou de “clima de angústia” dentro da equipe.

Segundo o ministro, permanece a preocupação com os estoques hospitalares, devido à dificuldades em obter insumos produzidos na China. O chefe da Saúde reafirmou a possibilidade de sobrecarga nos hospitais, o que pode levar o sistema ao colapso nos próximos meses.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem