Política

Brasil tem 5,4 milhões de casos de dengue; em SP, a doença avança em todos os distritos

O País tem 3.086 mortes confirmadas em decorrência da doença. Há ainda outros 2.823 óbitos em investigação

Créditos: Arquivo / Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Brasil registrou até o início da noite desta segunda-feira 27 pouco mais de 5,4 milhões de casos prováveis de dengue neste ano, com 3.086 mortes confirmadas em decorrência da doença. Há ainda outros 2.823 óbitos em investigação.

Em números absolutos, São Paulo lidera o ranking de casos prováveis, com 1.538.038 (e 835 mortes). Apenas na capital paulista, há 443,2 mil diagnósticos prováveis, com 146 mortes confirmadas, de acordo com o Ministério da Saúde.

Segundo um boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde da capital nesta segunda, todos os distritos da cidade continuam a registrar alta de casos de dengue na comparação com a semana anterior.

Houve 42,3 mil novos casos registrados, com as maiores incidências na zona leste e na zona norte. Os números se referem ao período entre 12 e 18 de maio.

A cidade de São Paulo vive uma epidemia de dengue desde 18 de março, dia em que a prefeitura decretou estado de emergência.

Também continua a aumentar a taxa de incidência da doença por 100 mil habitantes na capital (chegou a 3.078,4). A maior incidência é a de Jaguara, na zona oeste, com 12.412,1, seguida pela de São Miguel, na zona leste, com 11.074,4.

As menores incidências são as de Jardim Paulista (522,8) e Moema (603,8). Em apenas dez distritos da capital a incidência está abaixo de mil casos por 100 mil habitantes.

Entre os estados, no ranking de incidência de casos prováveis, o Distrito Federal aparece em primeiro. Outras quatro unidades da Federação aparecem à frente de São Paulo nesse quesito: Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e Goiás.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo