XP/Ipespe: só Lula aparece numericamente à frente de Bolsonaro no 2º turno

O petista tem 42%, contra 40% do adversário de extrema-direita; a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foto: Ricardo Stuckert

Política

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é o único nome à frente do presidente Jair Bolsonaro na pesquisa para o 2º turno de 2022, mas há empate técnico, segundo o levantamento XP/Ipespe divulgado nesta terça-feira 11.

 

 

Enquanto o petista aparece com 42% dos votos, o candidato da extrema-direita conta com 40%, sendo que a margem de erro é de 3,2 pontos percentuais. A pesquisa registrou 18% de indecisos, brancos, nulos ou que não responderam.

Em comparação com levantamento de março, Lula manteve o índice de 42%, enquanto Bolsonaro cresceu de 38% para 40%.

Bolsonaro está à frente de todos os outros candidatos em um possível 2º turno, mas também há empate técnico com Ciro Gomes (PDT): o presidente aparece com 39%, enquanto o pedetista conta com 38% das intenções de voto.

Veja, a seguir, os cenários para o 2º turno:

 

  • Lula tem 42%, contra 40% de Bolsonaro; 18% não sabem, não responderam, brancos ou nulos;
  • Bolsonaro tem 39%, contra 38% de Ciro Gomes; 23% não sabem, não responderam, brancos ou nulos;
  • Bolsonaro tem 32%, contra 30% de Sérgio Moro; 37% não sabem, não responderam, brancos ou nulos;
  • Bolsonaro tem 38%, contra 34% de Luciano Huck; 29% não sabem, não responderam, brancos ou nulos;
  • Bolsonaro tem 40%, contra 31% de Guilherme Boulos; 28% não sabem, não responderam, brancos ou nulos;
  • Bolsonaro tem 40%, contra 31% de João Doria; 29% não sabem, não responderam, brancos ou nulos.

 

No 1º turno, Bolsonaro sai vitorioso na pesquisa espontânea, quando o pesquisador não lista ao entrevistado os nomes dos candidatos, e empata com Lula na pesquisa estimulada, quando o entrevistado é perguntado e lembrado dos possíveis concorrentes.

Bolsonaro aparece com 25% das intenções de voto no 1º turno na pesquisa espontânea, contra 21% de Lula; 35% não sabem ou não responderam, e 13% anunciam voto branco ou nulo.

Na estimulada, Lula e Bolsonaro contabilizam 29%, seguidos de Ciro Gomes, com 9%, e Sérgio Moro, com 8%. Em comparação com a pesquisa anterior, Bolsonaro teve crescimento de 1% e Lula manteve o índice.

Reprovação a Bolsonaro tem relativa estabilidade

A rodada de maio apontou crescimento de 1% na reprovação de Bolsonaro em relação a março: o índice de quem avalia o governo como ruim ou péssimo subiu de 48% para 49%, segundo o estudo, o que “mostra relativa estabilidade na avaliação negativa do governo”. A maior rejeição a Bolsonaro já registrada pela XP/Ipespe foi em maio do ano passado, quando o percentual atingiu 50%.

Segundo a pesquisa, também cresceu de 27% para 29% o percentual dos que acham a gestão ótima ou boa, e desceu de 24% para 20% a média de quem avalia o governo como regular.

Também cresceu de 23% para 26% o grupo dos que consideram que a economia está no caminho certo, e diminuiu de 65% para 63% os que acham que a economia está no caminho errado.

Aumentou de 21% para 22% o percentual dos que veem como ótima ou boa a ação de Bolsonaro para enfrentar o coronavírus. Já 31% dos entrevistados têm expectativas ótimas ou boas para o restante do mandato de Bolsonaro, enquanto 44% acham ruim ou péssimo, e 21% veem como regular.

Foram realizadas mil entrevistas de abrangência nacional de 4 a 7 de maio, segundo o levantamento.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem