Política

Weintraub critica encontro de Bolsonaro com embaixadores e diz que presidente tem discurso de derrotado

Ex-ministro da Educação disse que episódio mostrou presidente acuado, em live desta segunda-feira

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Educação e pré-candidato ao governo de São Paulo, Abraham Weintraub (PMB) fez duras críticas sobre o encontro do presidente Bolsonaro (PL) com embaixadores para tratar das acusações falsas ao sistema eleitoral. Em uma transmissão feita na segunda-feira, ele chegou a se referir ao discurso presidencial como “um rascunho, um esboço da derrota”.

“Ele já está preparando um discurso do porque ele perdeu as eleições. Essa é a minha impressão”, comentou Weintraub.

“Nas outras vezes ele estava com mais pegada, ainda tinha aquela bravata. Dessa vez ele estava realmente murcho, quase pedindo por favor. Muito pipi mole, o pipizinho dele bem mole. E isso me pareceu um discurso de derrota”, acrescentou.

Para o ex-ministro a postura do presidente se mostrou pouco confrontadora:

“Visivelmente ele está com medo, acuado. De ir preso, da família dele ir presa”, completou Weintraub, antes de caracterizar o discurso de Bolsonaro como “um rascunho, um esboço da derrota”. “Parecia um discurso de derrota. Se ele fizer esse mesmo discurso no dia seguinte da derrota nas urnas, cabe”.

Mais cedo naquele mesmo dia, Bolsonaro havia convocado embaixadores para um encontro no Palácio da Alvorada. Em discurso, o presidente fez novo ataque ao processo eleitoral e às urnas eletrônicas. As alegações infundadas jogavam dúvida sobre a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro, além de criticar o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em evento no Paraná logo depois, o presidente do TSE, Edson Fachin, fez um discurso duro e, sem citar nomes, pediu um ‘basta à desinformação e ao populismo autoritário’. O presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD), e presidenciáveis também condenaram as declarações de Bolsonaro a embaixadores.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo