Wajngarten é notificado para prestar informações à Comissão de Ética

Chefe da Secretaria de Comunicação é suspeito de irregularidades por contratos com emissoras de televisão e agências de publicidade

O chefe da Secom, Fábio Wajngarten. Foto: Anderson Riedel/PR

O chefe da Secom, Fábio Wajngarten. Foto: Anderson Riedel/PR

Política

O chefe da Secretaria de Comunicação Social (Secom) do governo federal, Fábio Wajngarten, foi notificado a prestar informações à Comissão de Ética Pública (CEP) da Presidência da República, sobre três representações relacionadas a contratos com emissoras de televisão e agências de publicidade. A informação foi revelada pelo jornal O Globo.

Wajngarten é alvo de três representações na Comissão por suposta irregularidades em sua atuação, porque o secretário é sócio de uma firma que tem contratos com empresas de comunicação – ao mesmo tempo, as mesmas empresas de comunicação recebem verbas da secretaria que ele comanda.

Segundo O Globo, o pedido foi enviado em 22 de janeiro. Nesta terça-feira 28, o presidente da Comissão, Paulo Henrique dos Santos Lucon, informou ao veículo que Wajngarten já estaria ciente da notificação e que ainda corre o prazo de dez dias para que ele responda ao relator dos processos, o conselheiro Gustavo Vale Rocha.

De volta da Índia, o presidente Jair Bolsonaro disse que não vê “nada de errado” no desempenho de Wajngarten. A declaração ocorre após o Ministério Público Federal (MPF) solicitar a abertura de um inquérito para apurar suspeitas de corrupção, peculato e advocacia administrativa por parte do chefe da Secom.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem