Política

Viagem de Moro aos EUA é questionada por requerimento

Documento levanta suspeitas sobre viagem ‘repentina’ aos órgãos de segurança e inteligência americanos

Foto: Ciaran McCrickard/ Fórum Econômico Mundial
Foto: Ciaran McCrickard/ Fórum Econômico Mundial

O deputado federal Márcio Jerry (PCdoB-MA) entregou um requerimento para questionar a viagem do ministro da Justiça, Sergio Moro, aos Estados Unidos. Protagonista do principal escândalo do noticiário político atual, Moro anunciou uma agenda com órgãos de segurança e inteligência americanos entre os dias 22 e 26 de junho. A ida ao exterior serviu de justificativa para que o ministro cancelasse sua audiência marcada na Câmara para esta semana.

O documento entregue por Jerry elenca quatro motivos para suspeitar da viagem aos EUA. No primeiro ponto, indagou qual a agenda cumprida por Moro no país, com as datas, organismos citados, nomes das autoridades americanas visitadas e a pauta das reuniões.

O segundo item questiona quais as razões de Estado para o cancelamento com três Comissões Permanentes da Câmara dos Deputados sem prévio aviso, em uma viagem “repentina”. Além disso, Jerry quer saber qual a relação dos assessores e dos outros convidados que integraram a comitiva do Ministério da Justiça, e as despesas empregadas. Por fim, pergunta quais os resultados práticos da visita para o Brasil e para sua pasta.

O parlamentar argumenta que, sem justificativa “plausível”, Moro anunciou reuniões com o Departamento Federal de Investigação dos EUA, o FBI, em Washington, e a Força-Tarefa Conjunta de Investigação Cibernética Nacional. Outros opositores também se manifestaram contra a agenda do ministro. Para o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (PT-RS), “que baita coincidência Moro e Dallagnol ao mesmo tempo nos Estados Unidos num momento em que eles não podem se encontrar no Brasil”, postou em sua rede social.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!