Política

Uso de granada e armas por Roberto Jefferson reflete clima de tensão no Brasil, diz mídia internacional

O aliado de Bolsonaro foi preso após uma reação violenta, com granada e tiros lançados contra a PF; o cerco ao ex-deputado durou oito horas e resultou em dois policiais feridos

O ex-deputado federal Roberto Jefferson. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

A imprensa internacional repercute a prisão de Roberto Jefferson (PTB), aliado de Jair Bolsonaro, na madrugada de domingo (23). O ex-deputado reagiu com uso de granada e tiros contra policiais que vieram buscá-lo em casa, em Levy Gasparian (RJ), onde cumpria prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica.

A prisão em cárcere foi determinada pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, após Jefferson ter descumprido medidas impostas pelo STF, como não falar com a imprensa, receber visitas ou usar redes sociais para se comunicar.

No sábado (22), sua filha Cristiane Brasil publicou um vídeo em que o político compara a ministra Cármen Lúcia, do STF, a “prostitutas”, “arrombadas” e “vagabundas”.

O jornal espanhol El País analisa que o incidente provoca uma onda de preocupação na reta final da campanha pela presidência do Brasil, a mais polarizada das últimas décadas.

“Como Bolsonaro contestou o sistema de votação, questionando a segurança do voto eletrônico, existe o temor de que não aceite uma possível derrota e que, como Donald Trump nos Estados Unidos, decida incentivar seus seguidos a se mobilizar contra os resultados”, relata a correspondente de El País no Brasil, lembrando também que “muitos bolsonaristas estão armados”.

As agências AFP, AP e Reuters descreveram a reação violenta de Jefferson, com granada e tiros, que durou oito horas e resultou em dois policiais feridos. As informações foram reproduzidas pela mídia internacional.

“Jefferson havia sido preso preventivamente após proferir ameaças contra juízes do STF, mas recebeu, em janeiro, autorização para ficar em prisão domiciliar, se respeitasse certas condições”, explica Le Monde.

Bolsonaro tenta se distanciar

Após o incidente, em nota nas redes sociais, Bolsonaro tentou descolar sua imagem à do ex-deputado, afirmando que toda pessoa que atira contra um policial deve ser tratada como bandido. A AFP também acrescenta que o presidente insistiu sobre o fato de que não existia vínculos com Jefferson, que em 2020, declarou que Bolsonaro era seu “amigo íntimo”.

Foto: Reprodução/Redes Sociais

“Jair Bolsonaro criticou, no entanto, as investigações judiciarias contra o ex-deputado que, segundo seu parecer, foram feitas ‘sem nenhuma motivação constitucional’”, relata Le Figaro.

Bolsonaro também tentou se distanciar de Jefferson ao afirmar que não havia nem foto dos dois juntos, no que foi prontamente desmentido por vários meios, como a Folha de S.Paulo, que reproduziu foto de Jefferson e Bolsonaro se dando as mãos de maneira efusiva.

(com agências internacionais)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo