Política

Tabata lança pré-campanha à prefeitura de São Paulo com Alckmin e Datena

Na cerimônia, a deputada citou o combate à desigualdade social como foco

Foto: Gilberto Marques
Apoie Siga-nos no

A deputada federal Tabata Amaral (PSB) lançou sua pré-campanha à prefeitura de São Paulo nesta quinta-feira 25, no aniversário de 470 anos da cidade. 

A agenda contou com a presença do apresentador José Luiz Datena, cotado para vice da chapa e recém-filiado ao PSB, e teve uma participação remota do vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB).

Em seu discurso, Tabata destacou a necessidade de combater a desigualdade social na capital paulista.

“Basta andar no centro e ver crianças pedindo o que comer. A gente quer que o filho do pobre seja doutor. Que histórias como a minha e do meu irmão não sejam exceção”, afirmou a deputada. A cerimônia ocorreu na laje da casa onde Tabata cresceu, na zona sul. 

Em videochamada, Alckmin destacou os contrastes entre riqueza e pobreza na cidade e mencionou a aprovação do projeto Pé De Meia, uma poupança para estudantes de baixa renda. Ele se referiu à aliada como representante de “fé e esperança”.

O evento também marcou o lançamento do manifesto Uma só cidade, a enfatizar a necessidade de mudança em um município “dividido” e “dilacerado”.

Segundo a deputada, a eleição deste ano deve ser marcada pela escolha de projetos, não pela polarização. “Se eu for eleita, vou governar com o apoio do [governador] Tarcísio e do Lula”, afirmou.

A cerimônia contou ainda com a presença do ministro Márcio França (Empreendedorismo). Também foram apresentadas na chapa de candidatas à Câmara Municipal a primeira vacinada contra a Covid no Brasil, a enfermeira Monica Calazans; a esposa de França, Lúcia França; e a cicloativista Renata Falzoni.

O cenário eleitoral para Tabata, contudo, não é simples. Uma pesquisa Atlas Intel divulgada em 1º de janeiro apontou que Guilherme Boulos (PSOL) – apoiado pelo presidente Lula (PT) – lidera a disputa pela prefeitura com 29,5% das intenções de voto. Na sequência, o prefeito Ricardo Nunes (MDB), candidato à reeleição, marca 18%, tecnicamente empatado com Ricardo Salles (PL), com 17,6%.

Em seguida, aparecem Tabata e Kim Kataguiri (União), com 6,2% e 5,3%, respectivamente. Outros 14,1% não sabem ou não responderam, enquanto 8% disseram que votarão em branco ou anularão o voto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo