Justiça

STF elege Mendonça para a vaga de Moraes no TSE e novo ministro diz que será ‘imparcial’

O escolhido para a Corte eleitoral também prometeu ‘deferência ao Tribunal, à legislação e à Constituição’

O ministro do STF André Mendonça. Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro do Supremo Tribunal Federal André Mendonça foi eleito nesta quinta-feira 16 para a vaga de ministro efetivo do Tribunal Superior Eleitoral.

Desde 2022, Mendonça compõe o TSE como ministro substituto. Ele ocupará a cadeira que ficará vaga após a saída de Alexandre de Moraes, atual presidente do TSE, em junho.

A eleição de Mendonça pelo plenário do Supremo foi simbólica. As três cadeiras da Corte no TSE são ocupadas de forma rotativa entre os magistrados.

Ao ser escolhido para a vaga efetiva, Mendonça se comprometeu a agir de forma imparcial na Corte eleitoral. Ele foi indicado para o STF pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

“O meu compromisso com os eminentes pares, como um dos representantes do próprio Tribunal no TSE, é atuar com absoluta imparcialidade e deferência ao Tribunal, à legislação e à Constituição”, afirmou.

Mendonça também cumprimentou Moraes pelo trabalho na presidência do TSE. “O meu registro da gestão exitosa de Vossa Excelência, conduzindo o Tribunal em tempos de muitas turbulências e alguns questionamentos.”

Moraes deixará a presidência em 3 de junho, quando completará o período máximo de quatro anos na Corte. Sua sucessora será a ministra Cármen Lúcia.

O TSE é formado por sete ministros: três do STF, dois do Superior Tribunal de Justiça e dois advogados indicados pelo presidente da República.

(Com informações da Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo