Justiça

STF autoriza secretário do governo Lula a acessar diálogos da Vaza Jato

Segundo a defesa de Wadih Damous, conversas entre procuradores apontam uma estratégia de perseguição

O secretário nacional do Consumidor, Wadih Damous. Foto Valter Campanato/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O secretário nacional do Consumidor, Wadih Damous, obteve no Supremo Tribunal Federal o direito de acessar mensagens trocadas por procuradores da Lava Jato apreendidas na Operação Spoofing. O material deu origem à série de reportagens conhecida como Vaza Jato.

Na peça apresentada ao ministro Dias Toffoli, a defesa do ex-deputado federal diz ter tomado conhecimento de menções ao seu nome em diálogos mantidos por procuradores. As conversas, segundo os advogados, mostram uma “clara a intenção dos procuradores de perseguir o Peticionário como inimigo”.

“De todo modo, ao ser mencionado nominalmente (‘Wadih Damous era suplente e agora o titular voltou’) como alvo a ser perseguido (‘esse fdp merece grade’), o Peticionário tem o direito de obter acesso às mensagens que mencionem o seu nome”, justifica a defesa.

O objetivo, dizem os representantes de Damous, é “salvaguardar os direitos e, caso assim se entenda, pleitear diligências investigativas”.

Toffoli autorizou o acesso integral de Damous “às mensagens arrecadadas pela Operação Spoofing que lhe digam respeito”.

O magistrado estendeu em favor do secretário uma série de decisões do ministro aposentado Ricardo Lewandowski que concederam o acesso às provas da Spoofing por outros peticionários.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo