Só um golpe pode salvar Bolsonaro, e ele pode ser dado de duas maneiras

Bolsonaro chegou ao poder com elevadas expectativas, mas colocou tudo a perder

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Opinião,Política

Você pode não ter conseguido ainda se resolver a respeito de Bolsonaro, se é um gênio do mal ou um bufão autoritário, mas de uma coisa não há dúvida: se tiver condições, o ex-capitão dará um golpe. Não porque o golpismo seja parte de sua natureza e convicções (e é). Ele quer o golpe porque percebe que as chances de permanecer no poder pelo voto, que não eram grandes, diminuíram significativamente.

Depois da eleição e ao longo do primeiro ano, metade do eleitorado aguardou, com otimismo, que o governo começasse, sem que, com a ausência de Lula, alguém lhe fizesse contraposição efetiva. Mas as expectativas não se confirmaram (como era previsível) e o apoio caiu. Foi quando ganharam terreno as conversas de golpe.

Veio a pandemia e o Auxílio Emer­gencial, e muita gente passou a achar que Bolsonaro tinha alta probabilidade de se reeleger. Sem pesquisas adequadas, generalizou-se a impressão de que estava com a bola cheia. Os bolsonaristas acreditaram que bastava comprar o Centrão, pois, no eleitorado, ele se garantia. Mas Lula voltou e, com base em pesquisas benfeitas, as ilusões se acabaram. Ficou claro que ele é o (grande) favorito.

À turma do ex-capitão resta a opção de cancelar a eleição, o que pode ser feito de duas maneiras. Uma, digamos, clássica, é o velho golpe militar, com tanques e metralhadoras na rua. Pega mal, é ­démodé, mas gente como Bolsonaro não se detém por isso. É porque desconfia que não consegue mobilizar o conjunto das Forças Armadas que não vai adiante.

A segunda é igualmente antidemocrática e foi usada em 2018. Consiste em impedir a candidatura de Lula, por via militar, judicial e midiática, pois, sem ele, as esquerdas ficam mais frágeis, ainda que permaneçam competitivas. Bolsonaro precisaria de outra “facada” para escapar da comparação com o adversário e outra bandalha cibernética para enfraquecê-lo. Mas, se deu certo uma vez, por que não tentar de novo?

Isso, no entanto, é puro déjà-vu. Somente na cabeça do ex-capitão é possível repetir a receita de 2018: o tempo passou, ele se revelou um desastre, o povo não gosta dele. Do tripé de que se utilizou só ficaram os militares, desmoralizados pelo fracasso da aventura em que enfiaram o País.

Bolsonaro sabe que não tem força (pelo menos, por ora) para liderar uma quartelada e foi desfeita a aliança que tirou o ex-presidente da última eleição. Por mais que queira fugir de Lula, parece que terá de enfrentá-lo.

Há quem imagine que o capitão é um craque da política. A verdade, no entanto, é que ele está mais perto de ser aquilo que ensina o senso comum, o verdadeiro estúpido

Hoje, a sua esperança é que funcione outra ferramenta imoral de seu arsenal: torrar dinheiro público para aumentar a aprovação popular. Sob o olhar complacente das mesmas elites que se escandalizavam com o “exagero petista” na política social, o plano de Bolsonaro é gastar o que for preciso para comprar votos, rezando para que a demagogia dê certo. Só que ela se funda no equívoco característico dos reacionários brasileiros, supor que basta uma grana para ganhar o voto do povo. Ao contrário do que pensam, o povo sabe votar e o bolso está longe de ser o único órgão que determina o que faz na urna.

Bolsonaro teve a chance de se tornar uma liderança para valer na política brasileira. Assumiu o governo com expectativas elevadas e as jogou fora. O destino ofereceu-lhe uma segunda oportunidade, com o inesperado da pandemia, e ele voltou a desperdiçá-la, tornando-se pessoalmente responsável pela catástrofe sanitária brasileira. Hoje, insiste em comportamentos ridículos para o chefe de governo de um país sério. E acredita que vai ganhar a eleição.

Há quem imagine que o capitão é um craque da política, uma espécie de pérola que permaneceu escondida no fundo do plenário da Câmara dos Deputados por 20 anos. É o que acha seu público de referência, os desqualificados de que se cerca, recrutados pelo puxa-saquismo. A verdade, no entanto, é que ele está mais perto de ser aquilo que ensina o senso comum, o verdadeiro estúpido, que teima nos mesmos erros depois de ficar evidente que não funcionam. Como faz agora, buscando o aplauso fácil da minoria de idiotas e intimidando a maioria de pessoas normais, com declarações e comportamentos toscos.

É claro que é impossível vaticinar o que vai ocorrer na eleição. Mas quem apostar que Bolsonaro perde está muito mais perto de ganhar a aposta do que aquele que supõe que vence.

Publicado na edição nº 1162 de CartaCapital, em 17 de junho de 2021.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Sociólogo, é presidente do Instituto Vox Populi e também colunista do Correio Braziliense.

Compartilhar postagem