Política

Sérgio Reis recebeu R$ 126 mil para ser ‘garoto propaganda’ do governo no Paraná

Cantor sertanejo e articulador da ameaça de golpe deu rosto e voz para duas campanhas publicitárias recentes da gestão de Ratinho Jr.

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O cantor sertanejo e articulador de uma ameaça de golpe Sérgio Reis recebeu 126 mil reais por duas campanhas publicitárias do governo do Paraná. Os valores foram confirmados pelo próprio governo no pedido de informação do deputado estadual Goura Nataraj (PDT-PR) no fim de julho deste ano.

Reis embolsou como cachê 66 mil reais pela propaganda “Certificação Internacional Livre de Febre Aftosa” e 60 mil pela campanha “Paraná Trifásico”, paga pela estatal Companhia Paranaense de Energia (Copel). Ao todo, o governo gastou mais de 6 milhões de reais pelas propagandas que contam com o rosto e a voz do cantor em outdoors, comerciais de tevê, rádio e banners pela internet.

Goura explica que buscou o valor antes mesmo dos episódios polêmicos envolvendo o cantor porque as mídias causaram “um incômodo, um desconforto e uma inquietação” por tratarem “de forma rasa e superficial temas que a gente debateu e se aprofundou aqui na Assembleia”. De acordo com o deputado, o ‘incômodo’ se ampliou com as ameaças de Reis à democracia.

Após dizer que ‘pararia o Brasil’ e ‘tiraria os ministros do STF a força’, Sérgio Reis se tornou alvo de investigação na Polícia Civil do Distrito Federal. Ao justificar suas declarações durante uma live do blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, o cantor chorou e afirmou ter sido mal compreendido. Segundo ele, pedia ‘apenas um estudo’ sobre o impeachment dos membros do tribunal.

Episódio reflete sintonia entre Ratinho e Bolsonaro

Segundo o deputado, este episódio envolvendo o cantor no Paraná é apenas mais um exemplo da ‘proximidade’ e ‘sintonia’ entre o governador Ratinho Jr. e o presidente Jair Bolsonaro.

“O que ocorreu foi que o cantor Sérgio Reis fez essas propagandas para dar a impressão de que o governo está fazendo maravilhas, quando não está, e agora fica explícito que ele é o porta-voz de tentativas absurdas de um golpe e de ameaças ao STF. Assim como ele se coloca como garoto propaganda do estado, o governador Ratinho se coloca como um garoto propaganda do bolsonarismo”, afirma.

O pedetista explica sua afirmação ao lembrar que o chefe do estado paranaense dificilmente se posiciona publicamente contra as ações do governo federal, como na carta de governadores cobrando mais vacinas ou, mais recentemente, na carta em que 14 governadores assinam em defesa do Supremo Tribunal Federal (STF) e contra ameaças de Bolsonaro.

Outros episódios como a militarização de mais de 200 escolas estaduais no Paraná, em meio a pandemia e em sintonia com o governo federal, a concordância com a política ambiental de Ricardo Salles e a ampliação das privatizações no estado, como a Copel Telecom e a Ferroeste, também são destacadas por Goura.

“Esse alinhamento ele existe a gente tem visto em várias esferas”, destaca. “A gente vê essa aproximação desde o início do mandato dos dois. Ratinho, por exemplo, foi o único governador que acompanhou Bolsonaro em uma comitiva nos Estados Unidos”, acrescenta.

A comitiva citada por Goura ocorreu em março de 2020, no retorno da viagem, 22 membros foram diagnosticados com coronavírus. Na ocasião, o Brasil tinha pouquíssimos casos confirmados da doença.

Ratinho também é constantemente elogiado por Bolsonaro em lives e conversas com apoiadores.

Confira abaixo as informações obtidas pelo deputado:

Pedido informação ao Governo Paraná

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.