Economia

Senado aprova projeto que uniformiza juros para dívidas judiciais; texto volta à Câmara

A taxa legal de juros, aplicada em diversas situações, corresponderá à diferença entre a taxa Selic e o IPCA

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) em pronunciamento. Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

O Senado aprovou, nesta terça-feira 21, um projeto que uniformiza a aplicação de juros e correção monetária nos contratos de dívida sem taxa convencionada, em ações por perdas e danos e em débitos trabalhistas.

Como os senadores modificaram o texto, ele terá de voltar à Câmara dos Deputados, onde já havia sido aprovado. Na Casa Alta, a matéria tramitou sob a relatoria do senador Rogério Carvalho (PT-SE).

O projeto altera o Código Civil para estabelecer que, quando um contrato não indicar o índice de atualização monetária nem houver uma lei para especificar isso, valerá a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, ou outro índice que vier a substituí-lo.

O texto aprovado especifica que a taxa legal de juros, aplicada em diversas situações, corresponderá à diferença entre a taxa Selic e o IPCA — ou seja, Selic menos IPCA.

O Banco Central deverá disponibilizar em seu site uma calculadora da taxa de juros legal. Essa taxa será aplicada em contratos de empréstimo (mútuo) quando não houver outra taxa especificada; nas dívidas condominiais; nos juros por atraso no cumprimento de obrigação negocial, quando não houver taxa convencionada entre as partes; na responsabilidade civil decorrente de ato ilícito e nas perdas e danos de modo amplo.

Atualmente, a lei fixa como taxa legal de juros a que estiver em vigor para a mora (atraso) do pagamento de impostos devidos à Fazenda Nacional.

O projeto determina que, no caso das dívidas trabalhistas, quando não forem pagas pelo empregador nas épocas próprias definidas em lei, acordo ou convenção coletiva, além da correção monetária apurada pelo índice do IPCA incidirão juros calculados com a taxa legal, contados a partir do ajuizamento da reclamação ou da celebração do acordo extrajudicial e aplicados proporcionalmente ao tempo.

(Com informações da Agência Senado)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo