Santos Cruz critica governo Bolsonaro: “Um show de besteiras”

Demitido da Secretaria de Governo, o general do Exército reclamou à revista Época sobre 'fofocagem desgraçada'

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Política

Recém-demitido da Secretaria de Governo da Presidência da República, o general Carlos Alberto Santos Cruz classificou a gestão de Jair Bolsonaro (PSL) como “um show de besteiras”. O militar fez o comentário em entrevista à revista Época. Para Santos Cruz, o atual governo perde tempo com “bobagens”, em vez de priorizar questões relevantes para o país.

“Tem de aproveitar essa oportunidade para tirar a fumaça da frente para o público enxergar as coisas boas, e não uma fofocagem desgraçada. Se você fizer uma análise das bobagens que se têm vivido, é um negócio impressionante. É um show de besteiras”, disse o general, segundo trecho divulgado pela revista. “Isso tira o foco daquilo que é importante. Tem muita besteira. Tem muita coisa importante que acaba não aparecendo porque todo dia tem uma bobagem ou outra para distrair a população, tirando a atenção das coisas importantes. Tem de parar de criar coisas artificiais que tiram o foco. Todo mundo tem de tomar consciência de que é preciso parar com bobagem”.

O ex-ministro também comentou ao veículo sobre os ataques que recebeu nas redes sociais e reprovou o que chama de “guerra de baixarias”. Durante sua gestão na pasta, Santos Cruz foi publicamente criticado pelo vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ), filho do presidente, e pelo escritor e guru bolsonarista Olavo de Carvalho.

“Não é porque você tem liberdade e mecanismos de expressão, Twitter, Facebook, que você pode dizer o que bem entende, criando situações que atrapalham o governo ou ofendem a pessoa. Você discordar de métodos de trabalho é normal, até publicamente. Discordâncias são normais, de modo de pensar, modo de administrar, modo de fazer política, de fazer coordenação. Mas, atacar as pessoas em sua intimidade, isso acaba virando uma guerra de baixarias”, afirmou.

Uma das ofensas declaradas a Santos Cruz foi feita pelo Twitter de Olavo de Carvalho, na última quarta 19. O escritor disse que não aceitaria dinheiro para trabalhar com o militar. Antes da demissão, no dia 4 de maio, Carvalho chegou a dizer que o general não tem “capacidade para ler e analisar sua filosofia” e o acusou de fazer fofocas pelas costas. Bolsonaro não endossou nenhuma defesa ao líder do Exército. À Folha de S. Paulo, Santos Cruz afirmou: “Eu nunca me interessei pelas ideias desse sr. Olavo de Carvalho”.

Terceiro ministro a cair

Anunciada na quinta-feira 13, a demissão de Santos Cruz foi a primeira baixa de um militar no corpo ministerial de Bolsonaro. Quem ocupa o cargo agora é o general Luiz Eduardo Ramos, comandante militar do Sudeste. O substituto fez passagem no Comando da 11ª Região Militar, em Brasília (DF) e na 1ª Divisão do Exército, no Rio de Janeiro (RJ)

Em menos de 6 meses de governo, três ministros caíram. Antes de Santos Cruz, foram derrubados Gustavo Bebianno, da Secretaria-Geral da Presidência, e Ricardo Vélez, do Ministério da Educação.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem