Política

Saiba quem são os cotados para substituir Flávio Dino no Ministério da Justiça

Nos últimos dias, o nome do ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski, ganhou força

O presidente Lula e o então ministro da Justiça, Flávio Dino. Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

Após a aprovação do nome de Flávio Dino para ocupar a vaga deixada por Rosa Weber no Supremo Tribunal Federal, todos os olhos de Brasília se voltam para a escolha do novo ministro da Justiça. 

Um dos nomes que aparece, até aqui, como favorito a suceder Dino é o ex-ministro do STF, Ricardo Lewandowski. Durante a transição, ele era um dos nomes cotados para a pasta posteriormente assumida por Dino.

No entanto, segundo disse o líder do governo Lula, senador Jaques Wagner (PT-BA), ao jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira 14, ele não será o escolhido. Ao jornal, fontes próximas ao ministro sinalizaram também uma possível recusa de Lewandowski ao cargo.  

Além do ex-ministro do STF, há outros três citados para assumir a Justiça. Todos eles já estão no governo. São eles:

Apesar de ser bem avaliada pelo Congresso, a possibilidade de troca de Ministério de Tebet sofre alguma resistência dentro do PT, que preferia um nome mais à esquerda. A citação ao nome de Tebet é atribuída ao forte lobby do MDB para ampliar sua participação no governo.

Jorge Messias, que também foi cotado para o STF, aparece como o preferido do partido do presidente. A pouca experiência política do AGU, no entanto, pesa contra ele nos corredores do Planalto.

Já Cappelli, nomeado interventor do Distrito Federal depois do dia 8 de Janeiro, conhece os corredores do Ministério e tem vasto conhecimento em segurança pública. É o favorito de Dino e do PSB, partido que disputa a manutenção da pasta sob o seu comando.

Apesar de bem cotado por integrantes do governo, o interventor teria pouca proximidade de Lula. No PT, ele também não é considerado um nome muito à esquerda. 

Buscando viabilizar sua indicação, Cappelli tem mobilizado seu partido, o PSB, para fortalecer seu nome. Na segunda-feira ele se reuniu com o vice-presidente Geraldo Alckmin, também filiado à legenda. 

Segundo interlocutores, o presidente ainda poderá optar por uma “solução caseira”, buscando um nome próximo ao governo e que tenha uma certa habilidade política. 

Dentro desses planos, aparece o nome da presidente da legenda, Gleisi Hoffmann. Mesmo sendo uma aliada de primeira ordem, a petista sofre forte resistência. A ida dela ao ministério também abriria uma disputa antecipada pela presidência do PT, algo que pode prejudicar a legenda no ano eleitoral. 

Por fim, circula ainda uma possibilidade mais remota de que Lula escolha Wellington César Lima e Silva como novo ministro. Ele é o atual subchefe para Assuntos Jurídicos no governo.

A demora da escolha de Lula para um substituto pode ter uma forma de não interferir no resultado da sabatina de Dino no Senado. Com a aprovação da indicação, a nova previsão é de que Lula escolha um nome ainda antes do recesso do fim de ano. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo