Política

Requião e filho devem deixar o PT no Paraná: ‘Não há espaço para a política que fazemos’

A CartaCapital, o deputado estadual Requião Filho revelou estar, junto com seu pai, sendo ‘expurgado’ do partido

Foto: Eduardo Matysiak/Divulgação Gabinete Requião Filho
Apoie Siga-nos no

O trajetória política da família Requião no Paraná, representada pelo ex-governador Roberto Requião e do seu filho, o deputado estadual Requião Filho, deve seguir fora do Partido dos Trabalhadores. A informação foi dada pelo parlamentar em entrevista a CartaCapital.

A dupla chegou ao partido em 2022, pouco antes das eleições, como a grande aposta da legenda para reposicionar o PT na disputa com o governador Ratinho Jr. (PSD). Quase dois anos depois, afirma Requião Filho, a sensação é de engano.

“Depois, revendo fatos, ficou claro que entre o grupo político de Ratinho e o grupo do PT de São Paulo e de Brasília havia um acordo de não agressão. Tanto que o Ratinho pai [apresentador de TV] sequer veio ao Paraná para fazer campanha contra o Lula…foi fazendo no Mato Grosso e outros estados, mas não pisou aqui”, afirma.

“Então, fica essa penumbra, essa nuvem de dúvidas, de acertos, de acordos brancos feitos”, completa.

Requião e Requião Filho assinam a filiação ao PT (Foto: Ricardo Stuckert)

Segundo o político, nem ele, nem seu pai ainda bateram o martelo. Roberto Requião, vale lembrar, foi derrotado nas urnas e pode sair do partido a qualquer momento sem sofrer sanções. O filho, porém, venceu uma eleição proporcional e, por isso, precisa aguardar a janela partidária. Nos bastidores, CartaCapital confirmou que há negociações com siglas como PDT e PSB.

Na conversa, Requião Filho lamentou o desacerto, alegando que a saída não era sua vontade inicial.

“Há uma ala muito forte do PT que tenta nos expurgar do partido. Então, não é uma questão de ‘ah o grupo Requião está saindo do PT’. Não, tem uma ala do PT que deixou bem claro que não há espaço para o tipo de política séria e programática que nós fazemos”, conclui.

Na entrevista, Requião Filho falou também sobre o governo Ratinho Jr., contra quem ele protocolou um pedido de impeachment; o futuro de Ademar Traiano (PSD) no comando da Assembleia Legislativa após a revelação de um escândalo de corrupção e sobre como o PT deveria se posicionar na eleição de 2024 em Curitiba.

Confira:

/>

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo