Política

Renan diz que Bolsonaro participou de compra superfaturada da Covaxin

‘O presidente da República apenas não sabia da negociação e da bandalheira, ele tinha participado. É muito pior’, afirmou o relator da CPI

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O relator da CPI da Covid no Senado, Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou durante a sessão desta quarta-feira 7, que o presidente Jair Bolsonaro participou da compra superfaturada de vacinas Covaxin.

Segundo destacou, ele acredita ter elementos que indicam não apenas que o Bolsonaro foi informado de possíveis irregularidades na compra do imunizante, mas que participou diretamente da negociação com a Índia.

“Do pedido ao contrato houve um aumento de 50% do preço da vacina. Vacina, repito, cujo pedido ao primeiro-ministro da Índia foi feito pelo presidente da República. O presidente da República apenas não sabia da negociação e da bandalheira pela conversa dos irmãos Miranda, ele tinha participado. É muito pior”, destacou o relator.

Segundo Calheiros, o pedido de Bolsonaro para comprar 20 milhões de doses de Covaxin feito diretamente ao primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, indicam que o presidente estava ciente da negociação e dos preços em 2020, antes mesmo da denúncia levada por ele pelos irmãos Miranda.

Sobre a acusação, Calheiros foi questionado pelo governista Fernando Bezerra (MDB-PE) se tinha provas da mudança repentina de preços na Covaxin.

O relator disse que sim, indicando que iria reexibir o memorial de reunião com o Ministério da Saúde ocorrida em 20 de novembro de 2020, no qual está registrada a informação de que a vacina seria negociada a 10 dólares, podendo ainda ter o valor reduzido se a quantidade de doses fosse ampliada.

Governistas alegam que não se trata de uma proposta oficial.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!