Política

A lista de governadores que não devem comparecer ao evento do 8 de Janeiro

Evento que acontece em Brasília foi organizado pelo governo federal. Aliados ao ex-presidente Bolsonaro alegaram férias ou outras agendas para declinar o convite de Lula

Foto: Rubens Gallerani Filho/Audiovisual/PR
Apoie Siga-nos no

Ao menos nove governadores não comparecerão à cerimônia em memória do 8 de Janeiro, nesta segunda-feira 8, em Brasília.

Entre os ausentes estão Tarcísio de Freitas (Republicanos), governador de São Paulo, Cláudio Castro (PL), do Rio de Janeiro e Ibaneis Rocha (MDB), governador do Distrito Federal.

Eles são aliados de primeira hora do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), apontado como principal incentivador dos atos golpistas de 2023.

Além deles, também não deverão comparecer Gladson Cameli (PP), do Acre; Paulo Dantas (MDB), de Alagoas; Ronaldo Caiado (União Brasil), governador de Goiás; Mauro Mendes (União Brasil), do Mato Grosso; Eduardo Riedel (PSDB), governante do Mato Grosso do Sul; e Ratinho Jr. (PSD), do Paraná.

Apesar do caráter institucional, com convite assinado pelos chefes dos Três Poderes, o evento foi majoritariamente convocado pelo governo do presidente Lula (PT), o que fez com que os governadores da oposição declinassem o convite.

Entre os motivos das ausências estão incompatibilidade de agendas, férias previamente programadas ou motivos de saúde.

No entanto, com a aproximação das eleições municipais, a ausência também tem caráter político. Os governadores, nos bastidores, fizeram cálculos de ganhos e perdas eleitorais ao se posicionarem no evento ao lado de Lula.

A lista de ausentes, vale dizer, poderia ser maior. O governador Romeu Zema (Novo), aliado de Bolsonaro em Minas, desistiu de não comparecer ao evento e confirmou, nesta segunda-feira 8, que estará presente no local.

O evento

O evento batizado de “Democracia Inabalada” terá a presença, entre outros, do presidente Lula e dos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG) e do Supremo Tribunal Federal, Luis Roberto Barroso. Arthur Lira (PP-AL) estava confirmado, mas desistiu de última hora para, segundo ele, permanecer em Alagoas para acompanhar a situação de um familiar com problemas de saúde.

A expectativa é de que o evento contará com cerca de 500 convidados. Também marcarão presença Rosa Weber, que presidia o STF à época dos ataques bolsonaristas; o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB); e o procurador-geral da República, Paulo Gonet e ministros de Estado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo