Política

Quatro vereadores de São Paulo anunciam retirada de apoio a CPI que mira o Padre Júlio

‘Nós fomos apunhalados pelas costas’, diz Thammy Miranda (PL), em referência ao idealizador da comissão, Rubinho Nunes (União)

Padre Julio Lancelloti. Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Quatro vereadores de São Paulo anunciaram a retirada de apoio à abertura da CPI das ONGs, requerida por Rubinho Nunes (União) e que mira a atuação do Padre Júlio Lancellotti.

Thammy Miranda (PL), Xexéu Tripoli (PSDB), Sidney Cruz (Solidariedade) e Sandra Tadeu (União Brasil) se disseram “enganados” por Nunes, pelo fato de o requerimento não fazer menção a Lancellotti. Eles avaliam ainda que o vereador direcionou a CPI para atacar o padre.

No requerimento, Nunes argumentava que a comissão teria a “finalidade de investigar as Organizações Não Governamentais que fornecem alimentos, utensílios para uso de substâncias ilícitas e tratamento aos grupos de usuários que frequentam a região da Cracolândia”.

Ele alegou ainda que “a atuação dessas ONGs não está isenta de fiscalização, sendo necessária a criação de uma CPI”.

Nós fomos enganados e apunhalados pelas costas. O documento de CPI que assinamos nunca citou o padre Júlio e usou de uma situação séria para angariar apoio. 90% dos vereadores que assinaram esse pedido não sabiam desse direcionamento político do vereador [Rubinho] nessa CPI”, justificou Thammy Miranda ao site G1.

Ao veículo, por meio de nota, Rubinho Nunes disse que “respeita a posição dos colegas”, que estariam “sofrendo pressão política da mídia e da militância de esquerda”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo