Política

Protesto contra Bolsonaro no 7 de Setembro está mantido, diz organização

Doria anunciou que o ato não poderá ser realizado em qualquer circunstância na data; Campanha Fora Bolsonaro reivindica legitimidade

Coletiva de imprensa dos organizadores da Campanha Fora Bolsonaro. Foto: Reprodução/Brasil de Fato
Coletiva de imprensa dos organizadores da Campanha Fora Bolsonaro. Foto: Reprodução/Brasil de Fato

Organizadores do ato contra o presidente Jair Bolsonaro previsto para 7 de setembro em São Paulo anunciaram que vão manter a data, ainda que o governador João Doria (PSDB) tenha declarado que proibirá a realização do protesto. Em coletiva de imprensa nesta quinta-feira 26, a Campanha Fora Bolsonaro afirmou que a manifestação segue prevista para o Largo do Anhangabaú, no Centro da capital paulista, mas sem trajeto confirmado.

Conforme mostrou CartaCapital, o governo Doria impediu que a manifestação da Campanha Fora Bolsonaro ocorresse na Avenida Paulista, com a justificativa de que os atos bolsonaristas teriam preferência no local. A decisão foi baseada em uma decisão judicial de 2020 do Tribunal de Justiça de São Paulo que veda a realização de atos antagônicos no mesmo lugar. Os organizadores dos atos contra o presidente, então, decidiram mudar o local para o Largo do Anhangabaú.

Porém, Doria anunciou, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes, que o ato não poderá ser realizado em qualquer área do estado de São Paulo no Dia da Independência, porque a data estaria reservada aos bolsonaristas. O tucano afirmou ainda que a data para os atos de adversários do presidente é 12 de setembro, data articulada pelas organizações de direita Movimento Brasil Livre, Vem Pra Rua, e líderes do Partido Novo e PSL.

A Campanha Fora Bolsonaro repudiou a decisão de Doria e a chamou de “autoritária”.

“Manifestação é um direito garantido na Constituição”, disse Josué Rocha, do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto. “A Campanha Fora Bolsonaro tem legitimidade de convocar a manifestação.”

Raimundo Bonfim, da Central de Movimentos Popular, defendeu o veto de Doria aos protestos de caráter antidemocrático mobilizados pelos bolsonaristas, com bandeiras como o fechamento do Supremo Tribunal Federal e o levante da Polícia Militar.

“O governador cedeu a Paulista para gente que está falando que vai fazer violência. O governador deveria impedir o ato dos golpistas na Paulista”, disse.

Bonfim informou que o comunicado já foi realizado à Prefeitura de São Paulo e à Polícia Militar. Em meio a convocação de figuras da PM aos atos pró-Bolsonaro, Bonfim disse que o entendimento articulado é de que o governo do Estado “tem o dever de promover a segurança dos manifestantes”.

Os organizadores afirmaram que vão realizar um dia de panfletagens em 28 de agosto para convocar os atos no Anhangabaú, que compreenderão também o “Grito dos Excluídos”, tradicional protesto no Dia da Independência, realizado anualmente desde 1995. Em São Paulo, o ato ocorreu na Avenida Paulista por 12 anos seguidos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!