Política

Produtores estavam na roça e não foram a ato de Bolsonaro, diz Fávaro

Segundo o ministro da Agricultura, o setor ‘não estava preocupado’ com a manifestação em São Paulo

Brasília (DF) 27/06/2023 - O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro participa da Cerimônia no Palácio do Planalto do lançamento do Plano Safra 2023/2024. Foto: Joédson Alves/Agência Brasil Plano Safra 2023/2024
Apoie Siga-nos no

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro (PSD), minimizou a presença de representantes do agronegócio no ato promovido pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) na Avenida Paulista, em São Paulo, no último domingo.

Fávaro foi questionado sobre o tema após uma reunião com o presidente Lula (PT) no Palácio do Planalto, nesta terça-feira 27. Ele disse que a relação da gestão petista com o segmento “está bem” e ponderou que, por ser época de colheita, os produtores rurais “estavam na roça”.

“Não vi adesão nenhuma. Acho que está todo mundo trabalhando, colhendo. [É] período de colheita”, disse o ministro. “Estava todo mundo na roça, na lavoura, colhendo. Não estava preocupado com esse tipo de manifestação, não.”

Setores do agronegócio foram uma das bases de apoio nos quatro anos do governo Bolsonaro, participando inclusive do financiamento de manifestações nas quais o ex-capitão desferiu ataques às instituições.

Acuado pelas investigações sobre a articulação de um golpe de Estado, Bolsonaro reuniu apoiadores, governadores e parlamentares no domingo, na tentativa de apresentar um capital político.

Na ocasião, o ex-presidente chegou a defender anistia aos bolsonaristas presos por participação nos atos golpistas de 8 de Janeiro. Apenas o deputado federal Pedro Lupion, presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, esteve no evento.

A despeito da relação do agro com o bolsonarismo nos últimos anos, Fávaro ponderou que o distanciamento entre o governo e o setor diminuiu consideravelmente no primeiro ano do mandato de Lula. Ele mencionou a política de liberação de créditos agrícolas como um dos fatores para a aproximação.

“O setor compreendeu que [era falsa] a retórica política eleitoral que inseriram na cabeça dos produtores, de que o presidente Lula era incerteza para o setor, que poderia taxar exportações, que poderia trazer insegurança jurídica no campo”, destacou o ministro.

Para os próximos dias, a articulação política do governo avalia convidar lideranças da chamada “Bancada do Boi” para uma espécie de happy hour na Granja do Torto. A ideia foi levada a Lula por Fávaro, que defendeu a realização de “um churrasquinho”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo