Pressionado, Bolsonaro decide retirar corte de salários da MP 927

Até então, o presidente defendia a a suspensão de contratos e salários como forma de garantir empregos no contexto do coronavírus

O ministro Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes / PR)

O ministro Paulo Guedes e o presidente Jair Bolsonaro (Foto: Carolina Antunes / PR)

Política

Após pressão e reações negativas, o presidente Jair Bolsonaro anunciou em suas redes sociais que suspendeu um dos artigos da Medida Provisória 927, que permitia a suspensão do contrato de trabalho por até 4 meses, sem salário. Até então, o presidente defendia a medida para preservar empregos durante o enfrentamento à epidemia do coronavírus.

Pela manhã, o presidente chegou a dizer a jornalistas que a medida “flexibiliza ainda mais a CLT, é uma maneira de preservar empregos, diminui o tempo do aviso prévio, permite que se entre em férias agora, que é melhor que ser demitido, basicamente é por aí essa medida (…) Ninguém está demitindo ninguém”, respondeu.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Post Tags
Compartilhar postagem