Presidente da Fundação Palmares ironiza Dia da Consciência Negra

Camargo chamou a mobilização da data de ‘vitimização’

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, ao lado do presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Twitter

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, ao lado do presidente da República, Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Twitter

Política

O presidente da Fundação Cultural Palmares, Sérgio Camargo, usou as suas redes sociais para criticar o Dia da Consciência Negra, chamando a data de “vitimização”. É o segundo ano que o presidente da Fundação não dá apoio a data marcada por manifestações de movimentos negros.

Camargo, novamente, diminuiu a luta por igualdade afirmando que os reis africanos vendiam os escravos para os europeus. 

“Se o movimento negro reconhecesse essa amarga verdade, seria aniquilado pela própria ignorância histórica e incurável hipocrisia. Seria seu fim!”, publicou ele. 

O presidente da Fundação ainda exaltou a Princesa Isabel, chamando a regente de “Redentora”. 

Camargo também fez postagens criticando o líder quilombola Zumbi dos Palmares.

Desde que assumiu a Fundação, nomeado pelo presidente Bolsonaro, Sérgio tem recebido críticas quanto a sua administração.

Em novembro a nomeação de Camargo ao cargo foi suspensa judicialmente, sendo revertida pelo STJ em janeiro de 2021. 

Nos últimos meses, Camargo esteve afastado da gestão pessoal da Fundação Palmares. A Vara do Trabalho entendeu que ele estava promovendo assédio moral e perseguição ideológica contra funcionários da Fundação. 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem