Política

Presidente da CPMI do 8 de Janeiro recua sobre a regulação do trabalho de jornalistas

Nesta segunda-feira, Arthur Maia cancelou a credencial de um jornalista que capturou em foto mensagens do celular de um dos integrantes do colegiado; decisão, neste caso, está mantida até que o profissional se retrate

Brasília (DF) 13/06/2023 Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro durante sessão para analisar e votar 285 requerimentos. Foto Lula Marques/ Agência Brasil.
Apoie Siga-nos no

O presidente da CPMI do 8 de Janeiro, deputado Arthur Maia (União), recuou e revisou as determinações contidas em um ato editado, nesta segunda-feira 28, que impunha limites à atuação de jornalistas que cobrem as sessões do colegiado.

No texto divulgado, havia uma cláusula que proibia os profissionais de imprensa de divulgarem documentos “confidenciais” tratados pela Comissão. Durante o início da sessão desta terça-feira 29, Maia revogou o artigo que tratava sobre o tema.

O deputado justificou que o recuo se deve ao fato de que o controle da circulação dos documentos precisa ser feito pelos integrantes da CPMI e não pelos jornalistas.

Fotógrafo segue barrado 

Questionado sobre a decisão de manter o cancelamento da credencial do fotógrafo Lula Marques, que trabalha para a Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Maia ponderou que devolverá a permissão de cobrir as sessões mediante uma retratação do profissional. 

Na semana passada, Maia expulsou do plenário o fotojornalista que registrou uma conversa no celular do senador Jorge Seif (PL).

Em reação ao deputado, a Associação Brasileira de Imprensa considerou a decisão de impedir o acesso do fotojornalista ao plenário como ilegal, inconstitucional e autoritária.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo