‘Poxa, não chegou nenhuma ainda’: sucessora de Moro cobrou denúncias da Lava Jato

'Hoje ela pediu pra informarmos em off coisas como a existência de um potencial colaborador nos EUA'

Gabriela Hardt. Foto: Reprodução

Gabriela Hardt. Foto: Reprodução

Política

A defesa do ex-presidente Lula protocolou nesta sexta-feira 12 no Supremo Tribunal Federal um novo documento com diálogos trocados entre os procuradores da Lava Jato no aplicativo Telegram.

 

 

As conversas, obtidas pela Operação Spoofing, reforçam a proximidade entre os membros da força-tarefa em Curitiba e magistrados responsáveis pelas condenações de alvos da operação em primeira instância.

Um dos trechos anexados pelos advogados do petista se refere à juíza Gabriela Hardt, que substituiu Sergio Moro na 13ª Vara Federal de Curitiba. Em 1º de novembro de 2018, Moro aceitou o convite do então presidente eleito, Jair Bolsonaro, para assumir o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Em 19 de dezembro daquele ano, o chefe da força-tarefa da capital paranaense, Deltan Dallagnol, escreveu a seus colegas: “Gente, importante: 1) Gabriela não sabe o que é prioridade. Há 500 processos com despacho pendentes e não sabe o que olhar. Combinei de criarmos uma planilha google e colocarmos o que é prioridade pra gente. Quem quiser que suas decisões saiam logo, favor criar e indicar os autos, prioridadde 1, 2 ou 3 e Sumário ao lado, e me passar o link para eu passar pra ela”.

Dallagnol prosseguiu: “2) Gabriela não sabe as informações sigilosas. Hoje ela pediu pra informarmos em off coisas como a exist~encia de um potencial colaborador nos EUA (caso trading) e que MPF concordaria com desmembramento do processo”.

CartaCapital manteve as abreviações e eventuais erros ortográficos ou de digitação cometidos pelos procuradores.

Mais tarde naquele dia, o procurador-chefe voltou ao assunto: “Sem pressão, Gabriela disse sobre as denúncias ‘poxa, nao chegou nenhuma ainda…’. Expliquei que estamos trabalhando intensamente e prometi avisar qdo protocoladas”.

Alguns minutos depois, Dallagnol afirmou que enviou a seguinte mensagem à juíza: “Se ajudar, podemos enviar a minuta no estado atual para já ir apreciando. Está quase final”.

“Não sei se vendi o que não temos kkkk, mas mostra uma alternativa rs”, completou.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor do site de CartaCapital

Compartilhar postagem