Por conta do coronavírus, governo pretende permitir redução de jornada e salários

Flexibilização da legislação trabalhista deve ser proposta em forma de Medida Provisória (MP) e enviada para aprovação do Congresso em breve

O ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

O ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil)

Economia,Política,Saúde

Por conta da crise do coronavírus, o governo Bolsonaro pretende permitir que empresas cortem até a metade das jornadas de trabalho e salários de seus funcionários, desde que acordado anteriormente com os mesmos.

A mais recente flexibilização da legislação trabalhista deve ser proposta em forma de Medida Provisória (MP) e enviada para aprovação do Congresso em breve.

Pelas regras informadas pelo secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcomo, as empresas não poderão reduzir o salário hora do trabalhador e devem continuar pagando pelo menos o salário mínimo.

Além disso, a nova MP permitirá que empresas antecipem férias individuais, decretem férias coletivas, usem o banco de horas para dispensar trabalhadores do serviço e antecipem feriados não religiosos.

Segundo Dalcomo, a intenção é preservar emprego e renda dos trabalhadores brasileiros. A medida pode durar até o fim do período de calamidade provocado pela doença.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem