Política

PGR pede a inclusão de fugitivos do 8 de Janeiro na difusão vermelha da Interpol

A solicitação engloba pessoas que, além de descumprir medidas cautelares, podem ter escapado do Brasil

Atos de vandalismo durante o 8 de Janeiro. Foto: Joédson Alves / Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público Federal pediu à Polícia Federal a inclusão de uma lista de acusados de envolvimento no 8 de Janeiro de 2023 na difusão vermelha da Interpol.

As difusões vermelhas são emitidas para fugitivos acusados ou já condenados e com sentença a cumprir.

A decisão do MPF ocorre após uma reportagem do site UOL informar que pelo menos dez pessoas condenadas ou investigadas por participação no ataque quebraram tornozeleiras eletrônicas e fugiram do País.

Ao todo, segundo o veículo, 51 acusados de envolvimento no ato quebraram as tornozeleiras. Esse grupo é formado por pessoas com mandados de prisão em aberto.

De acordo com o MPF, o procurador-geral da República, Paulo Gonet, solicitou a inserção nos sistemas da Interpol dos mandados de prisão daqueles que, além de descumprir medidas cautelares, podem ter fugido do Brasil. O pedido da PGR atinge pelo menos oito pessoas.

A Organização Internacional de Polícia Criminal, a Interpol, é a maior organização internacional policial do mundo, com escritórios em 196 países. Sediada em Lyon, na França, foi fundada em 1923.

A Interpol fornece suporte em investigação, conhecimento e treinamento para a aplicação da lei contra três áreas principais de crime transnacional: terrorismo, crime cibernético e crime organizado.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo