Política

PF deflagra nova fase da operação contra participantes do 8 de Janeiro

15ª fase da Lesa Pátria cumpre mandados de busca e apreensão em Goiás; um deputado estadual é alvo

Golpistas invadem a a rampa de acesso ao Palácio do Planalto. Foto: Joedson Alves/Agencia Brasil
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal deflagrou uma nova fase da Operação Lesa Pátria na manhã desta terça-feira 28. São cumpridos, neste momento, dois mandados de busca e apreensão em Goiás contra o deputado estadual Amauri Ribeiro (União Brasil). Em junho, ele admitiu ter financiado golpistas e desafiou autoridades: ‘Me prendam’.

Essa é a 15ª fase da operação que mira participantes, financiadores ou incitadores dos atos golpistas do dia 8 de Janeiro, em Brasília.

Os dois mandados, informa a PF, foram expedidos pelo Supremo Tribunal Federal e estão sendo cumpridos nas cidades de Goiânia – no gabinete de Ribeiro – e Piracanjuba, no sul do estado, onde o bolsonarista reside.

O parlamentar é investigado por cometer, em tese, “os crimes de abolição violenta do Estado Democrático de Direito, golpe de Estado, dano qualificado, associação criminosa, incitação ao crime, destruição e deterioração ou inutilização de bem especialmente protegido e crimes da lei de terrorismo.”

Na última vez que foi às ruas, a PF prendeu religiosos e influenciadores digitais que organizaram os atos golpistas. Os chamados líderes da ‘festa da Selma’, termo usado pelos golpistas para se referir ao terrorismo, foram presos no dia 17 de agosto.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo